Mercados num minuto Abertura dos mercados: Barcelona penaliza bolsas e juros. Ouro ganha como refúgio

Abertura dos mercados: Barcelona penaliza bolsas e juros. Ouro ganha como refúgio

O ataque terrorista que teve lugar nas Ramblas, em Barcelona, que vitimou mortalmente 13 pessoas, está a mexer nos mercados. Os activos de refúgio sobem, as bolsas caem.
Abertura dos mercados: Barcelona penaliza bolsas e juros. Ouro ganha como refúgio
Reuters
Diogo Cavaleiro 18 de agosto de 2017 às 08:40

Os mercados em números

PSI-20  desce 0,63% para 5.210,08 pontos

Stoxx 600 cai 0,92% para 373,40 pontos

Nikkei desvalorizou 1,18% para 19.470,41 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal inalterada nos 2,775%

Euro soma 0,21% para 1,1748 dólares

Petróleo sobe 0,33% para 51,20 dólares por barril

 

Trump e Barcelona prejudicam bolsas

As bolsas europeias amanheceram com quedas esta sexta-feira, na primeira vez que negociaram após o ataque terrorista que decorreu em Barcelona. O atentado reivindicado pelo Daesh matou 13 pessoas e fez mais de 100 feridos. Nos mercados bolsistas, estes acontecimentos tendem a penalizar o valor das empresas com o pessimismo dos investidores.

 

A bolsa de Madrid segue a cair 1,42%, com as restantes praças europeias a recuarem em torno de 1%. O português PSI-20 também amanheceu em baixa, ainda que com uma queda de magnitude mais reduzida: 0,63%. Na Ásia, o dia já tinha sido negativo, com o japonês Nikkei a resvalar 1,18%.

 

Wall Street já tinha encerrado em baixo ontem, com a polémica em torno da administração de Donald Trump que se intensificou esta semana, devido à controvérsia sobre a posição do presidente Donald Trump em torno dos eventos em Charlottesville.

 

Juros espanhóis somam terreno

Os juros da dívida espanhóis estão esta sexta-feira a agravar-se, o que reflecte o receio dos investidores face ao risco da dívida do país – quanto maiores as rendibilidades exigidas, maior o risco atribuído pelos investidores.

 

A taxa de juro implícita das obrigações espanholas a dez anos estão a somar 12,4 pontos base para 1,563%, segundo as taxas genéricas do terminal da Bloomberg. Há avanços acima de 10 pontos base (0,1 pontos percentuais) em grande parte dos prazos.

 

Em Portugal, Espanha e Itália, os comportamentos são mistos, com subidas e descidas nos vários prazos, sem uma tendência definida. Já Alemanha e França registam uma queda. As maiores economias da Zona Euro são vistas como refúgio, pelo que são procuradas pelos investidores em momentos de percepção de maior risco. A dez anos, a "yield" das obrigações germânicas recuam 1,7 pontos base.

 

Dólar cai com Trump

O dólar está a perder terreno, caindo pelo terceiro dia face ao iene. A moeda americana também recua hoje em relação ao euro. A moeda única europeia negoceia em alta, somando 0,21% para 1,1748 dólares.

 

A desvalorização da moeda americana é atribuída à controvérsia gerada pelas declarações de Trump em relação à violência em Charlottesville.

 

Petróleo soma

Os preços do petróleo estão a subir nos mercados internacionais, ainda que tivessem começado o dia estáveis, sem grandes novidades no sector.

 

O barril de Brent do Mar do Norte ganha 0,33% para 51,20 dólares em Londres. Já em Nova Iorque, os contratos futuros de West Texas Intermediate valorizam 0,40% para 47,28 dólares por barril.

 

Ouro ganha como refúgio

O ouro está a avançar pelo terceiro dia consecutivo, ganhando como activo de refúgio no pós-atentado terrorista. É um movimento normal que ocorre em situações em que a percepção é de risco – são activos procurados pelos investidores para o caso de quedas generalizadas nos mercados.

 

O metal precioso está a valer 1.293,19 dólares por onça, o que representa um ganho de 0,39% em relação ao fecho de ontem. É o terceiro dia de ganhos.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento.

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

E o mais curioso é que estes falhados islâmicos, quando não entraram na UE por via da política esquerdista da imigração de portões escancarados sem qualquer critério racional selectivo, são todos descendentes de magrebinos e árabes que imigraram para a Europa Liberal de raiz Cristã e já aqui nasceram. Agora não tenham dúvidas de que a política de imigração de portas escancaradas, defendida pelas esquerdas sindicais que vêem no factor trabalho um fim em si mesmo e no sindicato o clube que fanaticamente apoiam quais tiffosi inebriados pelo keynesianismo desmiolado e o marxismo anti-capital (como se houvesse alguma distinção entre os factores produtivos a não ser o valor que a sua combinação consegue gerar com base na mais economicamente racional alocação dos mesmos), que acolhe o novo tsunami de imigrantes islâmicos, vai criar mais umas quantas legiões de falhados destes prontos a sacrificar os nossos jovens europeus de matriz cultural judaico-cristã.

Anónimo Há 5 dias

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento.

Anónimo Há 5 dias

Os ataques terroristas ao liberalismo repetem-se nos mesmos moldes nas grandes cidades do mundo livre, rico e desenvolvido, o mundo liberal. Lisboa, ainda sem mortos, mas já com muitas vítimas, não foge à regra. Barbarians at the gate.

pub
pub
pub
pub