Mercados num minuto Abertura dos mercados: BCE e Fed castigam bolsas e impulsionam juros da dívida

Abertura dos mercados: BCE e Fed castigam bolsas e impulsionam juros da dívida

Os renovados sinais de aperto da política monetária estão de novo a provocar uma subida nos juros da dívida pública europeia e a penalizar as bolsas europeias. A "yield" das obrigações do Tesouro sobe pela terceira sessão.
Abertura dos mercados: BCE e Fed castigam bolsas e impulsionam juros da dívida
Bloomberg
Nuno Carregueiro 07 de julho de 2017 às 09:23

Os mercados em números
PSI-20 cede 0,37% para 5.150,11 pontos

Stoxx 600 recua 0,29% para 370,31 pontos

Nikkei desvalorizou 0,32% para 19.929,09 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 3 pontos base para 3,09%

Euro deprecia 0,02% para 1,1421 dólares

Petróleo em Londres desce 1,08% para 47,59 dólares o barril

  

Bolsas europeias prolongam quedas 

As bolsas europeias estão a renovar os mínimos de 11 semanas que fixaram no final da sessão de ontem, a reflectir o cenário de uma política monetária menos expansionista, que ficou evidente nas actas das últimas reunião da Reserva Federal e do Banco Central Europeu. O banco central dos Estados Unidos está preparado para começar a reduzir o seu balanço, que tem mais de 4 biliões de dólares em obrigações. Já o BCE revelou que os responsáveis de política monetária, na reunião de 8 de Junho, discutiram remover do seu discurso a possibilidade de aumentar o programa de compra de activos.

 

As mensagens dos bancos centrais leva o Stoxx 600 a cair 0,29% para 370,31 pontos, um movimento de queda que está a ser acompanhado pela praça portuguesa, que também desce pela segunda sessão. O PSI-20 recua 0,37% para 5.150,11 pontos, com o índice a ser pressionado pela EDP Renováveis. A empresa liderada por Manso Neto desce 0,62% para 6,85 euros, ainda 10 cêntimos acima da contrapartida da OPA da EDP.

 

Em Wall Street, o S&P 500 encerrou a sessão de quinta-feira em baixa, a perder 0,94% para 2.409,75 pontos, naquela que foi a queda mais expressiva desde 17 de Maio. O movimento negativo prolongou-se hoje nas bolsas asiáticas, com o Nikkei a ceder 0,32%.

  

Juros sobem pela terceira sessão

As actas da reunião do BCE também estão a impulsionar os juros da dívida na Europa, com os investidores a assimilarem que o banco central deverá começar em breve a reduzir o seu programa de estímulos. A "yield" das bunds alemãs avança 1 ponto base para 0,57%, depois de ontem terem dado um salto de quase 10 pontos base para máximos de Janeiro de 2016, reflectindo também a fraca procura num leilão de obrigações francesas a 30 anos.

 

Na dívida portuguesa os juros sobem pela terceira sessão consecutiva, com a "yield" das obrigações do Tesouro a 10 anos a avançar 3 pontos base para 3,09%.

 

Nos Estados Unidos os investidores estão também a afastar-se das obrigações, levando a "yield" dos títulos a 10 anos para máximos de dois meses, nos 2,39%. No Japão a "yield" das obrigações a 10 anos está em máximos de Fevereiro, nos 0,105%.

 

Euro aguarda desemprego nos EUA

No mercado cambial o euro está a corrigir ligeiramente dos ganhos dos últimos dias, mantendo-se acima dos 1,14 dólares. Os investidores aguardam pelos dados do mercado de trabalho nos EUA (divulgado às 13:30, hora de Lisboa), para avaliar se a Fed tem margem para continuar a subir os juros e começar a reduzir o balanço. Os economistas estimam que tenham sido criados 175 mil empregos em Junho na maior economia do mundo.

 

Petróleo recua mais de 2% na semana

O petróleo volta a negociar em terreno negativo esta sexta-feira (Brent desce 1,08% para 47,59 dólares), mais do que anulando a recuperação registada na última sessão. No acumulado da semana a matéria-prima recua mais de 2%, devido sobretudo à recusa da Rússia em efectuar mais cortes na produção. Na semana anterior o petróleo tinha disparado 7%.

 

Prata e ouro em queda

A tendência nas matérias-primas é de queda generalizada, com a prata e o ouro também a negociarem em terreno negativo. O ouro desce 0,3% para 1.220,45 dólares e a prata recua 0,6% para 15,89 dólares a onça, depois de já ter negociado abaixo dos 15 dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
re: 5000 MIL MILHÕES dá o SANTANDER 07.07.2017

Tretas, tretas e mais tretas...

5000 MIL MILHÕES dá o SANTANDER 07.07.2017

5000 MIL MILHÕES dá o SANTANDER ao BCP para ficar com os 51 % do MILENIUM POLACO mas o BCP pediu 10000 MIL MILHÕES o negocio deverá ficar fechado para a semana por 7500 MIL MILHÕES

pub