Mercados num minuto Abertura dos Mercados: Bolsas à espera de decisão do Supremo britânico. Juros, dólar e crude em alta

Abertura dos Mercados: Bolsas à espera de decisão do Supremo britânico. Juros, dólar e crude em alta

Apesar de negociarem em terreno positivo, as bolsas europeias estão próximas da linha de água na expectativa pela decisão do Supremo Tribunal britânico relativa ao Brexit. Já os juros seguem em alta, assim como o dólar que recupera após declarações do novo secretário do Tesouro.
Abertura dos Mercados: Bolsas à espera de decisão do Supremo britânico. Juros, dólar e crude em alta
Bloomberg
David Santiago 24 de janeiro de 2017 às 09:37

Os mercados em números

PSI-20 cede 0,05% para 4.557,79 pontos

Stoxx sobe 0,04% para 361,15 pontos

Nikkei recua 0,55% para 18.787,99 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 0,3 pontos base para 3,797%

Euro perde 0,19% para 1,0744 dólares

Petróleo cede 0,32% para 55,31 dólares por barril 

 

Bolsas europeias em alta ligeira à espera de decisão sobre Brexit

As bolsas europeias abriram a sessão desta terça-feira, 24 de Janeiro, em alta ligeira, com o índice de referência europeu Stoxx 600 a subir ténues 0,04%. Os investidores europeus estão na expectativa pela decisão que será hoje anunciada pelo Supremo Tribunal do Reino Unido que se pronunciará sobre a quem cabe (ao Governo ou ao Parlamento) a prerrogativa de accionar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que define a forma como se deve processar a saída de um Estado-membro da União Europeia.

 

Já na Ásia o sentimento dividiu-se entre ganhos e perdas, com o índice MSCI Asia Pacific a recuar 0,1% depois de ontem o novo presidente dos EUA, Donald Trump, ter retirado o país do Tratado de Parceria TransPacífico (TPP).

 

No plano nacional o PSI-20 atenuou entretanto as perdas face ao início da sessão estando agora em queda ligeira, pressionado pelo BCP. Os títulos do banco liderado por Nuno Amado recuam 1,40% para 0,1546 euros enquanto os direitos de subscrição do aumento de capital seguem também a cair 3,07% para 0,853 euros.

 

Juros sobem na Zona Euro

Os juros da dívida da generalidade dos países da Zona Euro seguem em alta, incluindo os juros exigidos pelos investidores nos mercados secundários para comprar dívida dos países chamados periféricos. A taxa de juro associada às obrigações lusas com prazo a 10 anos está a subir 0,3 pontos base para os 3,797%, mantendo-se ainda assim abaixo da barreira dos 3,8%, isto depois de ontem ter negociado próxima dos 3,9%.

 

Também a "yield" associada à dívida espanhola e italiana a 10 anos segue a subir 2,1 e 0,6 pontos base para 1,455% e 1,997%, respectivamente. Nota ainda para os juros associados às "bunds" alemãs com maturidade a 10 anos que está a subir 1,3 pontos base para 0,376%.

 

Dólar recupera após declarações de novo secretário do Tesouro

A divisa norte-americana interrompeu esta terça-feira uma série de três dias consecutivos a desvalorizar contra o euro. A moeda única europeia está a perder 0,19% para 1,0744 dólares, isto depois de tal como ontem também hoje a divisa europeia já ter negociado nos mercados cambiais em máximos de 8 de Dezembro face ao dólar.

 

O dólar recupera assim dos mínimos de quase dois meses registados na última sessão, depois de ontem o novo secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, ter defendido que um dólar forte prejudica a economia norte-americana.

 

Corte na produção iraquiana impulsiona petróleo

O preço do petróleo segue em alta nos mercados internacionais. A contribuir para esta tendência está o anúncio feito pelo Iraque, em que o país dá conta de que está próximo de concluir a implementação do corte na produção acordado no âmbito do cartel dos países exportadores de petróleo (OPEP).

 

Segundo o Ministério do Petróleo iraquiano, o Iraque, que é o segundo maior produtor da OPEP, já reduziu em 180 mil barris por dia a produção, pretendendo cortar a produção petrolífera em ainda mais 30 mil barris por dia até ao final deste mês de Janeiro.

 

Em Londres, o Brent está a valorizar 0,69% para 55,61 dólares por barril, enquanto em Nova Iorque o West Texas Intermediate (WTI) segue a somar 0,74% para 53,14 dólares.

 

Ouro interrompe ciclo de três dias de ganhos

O preço do metal precioso está a desvalorizar 0,39% para 1.213,48 dólares por onça, interrompendo assim um ciclo de três dias consecutivos a valorizar. Ainda assim o metal dourado continua a negociar próximo de máximos de dois meses numa altura em que reforça a posição de activo de refúgio perante a incerteza provocada nos mercados internacionais pelo objectivo dos Estados Unidos abandonarem e reverterem os acordos comerciais de que são signatários.

 

Existe da parte dos investidores receio face às políticas proteccionistas no comércio internacional.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar