Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas aplaudem acordo grego e juros portugueses sobem antes da Fitch

Abertura dos mercados: Bolsas aplaudem acordo grego e juros portugueses sobem antes da Fitch

As bolsas europeias estão a negociar em terreno positivo, numa sessão que é também de ganhos para o petróleo. Os juros portugueses estão em alta antes da Fitch se pronunciar sobre o rating do país.
Abertura dos mercados: Bolsas aplaudem acordo grego e juros portugueses sobem antes da Fitch
Reuters
Rita Faria 16 de junho de 2017 às 09:19

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,63% para 5.295,36 pontos

Stoxx 600 ganha 0,48% para 387,89 pontos

Nikkei valorizou 0,56% para 19.943,26 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,8 pontos base para 2,880%

Euro ganha 0,18% para 1,1165 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,64% para 47,22 dólares o barril

 

Bolsas europeias em alta após acordo sobre a Grécia 

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta sexta-feira, 16 de Junho, reflectindo, em parte, o optimismo dos investidores com o acordo alcançado para a Grécia. Ontem, o Eurogrupo definiu o valor da próxima tranche a ser paga a Atenas – 8,5 mil milhões de euros – pondo fim ao período de incerteza e às dúvidas sobre o país conseguiria honrar os seus compromissos.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,48% para 387,89 pontos. A bolsa de Atenas é a que se destaca, com uma subida de 1,28%.

 

A bolsa nacional acompanha os ganhos na Europa, no dia em que o Ecofin deverá formalizar a saída do país do Procedimentos dos Défices Excessivos e em que a Fitch se pronuncia sobre o rating. O PSI-20 sobe 0,63% para 5.295,36 pontos, impulsionado sobretudo pela EDP e BCP. A eléctrica avança 0,75% para 3,079 euros enquanto o BCP soma 1,34% para 24,14 cêntimos.  

 

Juros portugueses sobem antes da Fitch 

Os juros da dívida portuguesa estão em alta, antes de a Fitch se pronunciar sobre o rating do país ao final do dia. O mercado não antecipa uma subida, já que a perspectiva é "estável", devendo ser alterada para "positiva" antes de qualquer mexida no rating.

 

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos sobe 1,8 pontos base para 2,880%, acompanhando a tendência que se estende à generalidade dos países do euro. Em Espanha, os juros avançam 2,9 pontos para 1,446%, na Alemanha 2,0 pontos para 0,302% e em Itália 0,2 pontos para 1,968%.

 

Dólar em máximos de duas semanas com dados positivos nos EUA 

O índice que mede a evolução do dólar face às principais congéneres mundiais está praticamente inalterado, depois de já ter estado a negociar em máximos de duas semanas, impulsionado pelos dados positivos sobre a economia dos Estados Unidos.

 

Ontem foi revelado que o número de pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos caiu mais do que o esperado na semana passada, e que as condições empresariais melhoraram acima do previsto em Junho.

 

Petróleo a caminho de maior série de quedas semanais em quase dois anos 

O petróleo está com sinal verde nos mercados internacionais. Ainda assim, deverá completar esta sexta-feira, a quarta semana de quedas, a mais longa série de desvalorizações semanais desde Agosto de 2015.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,47% para 44,67 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, valoriza 0,64% para 47,22 dólares.

 

A matéria-prima tem sido penalizada pelo nível elevado das reservas de crude dos Estados Unidos e pelo crescimento da produção da Líbia, que ameaçam minar os esforços da OPEP para reduzir o excedente a nível global.

 

Ouro próximo de mínimos de três semanas

Apesar de estar a registar uma subida ligeira de 0,07% para 1.254,87 dólares por onça, o ouro está a negociar próximo do nível mais baixo das últimas três semanas, depois de a Fed ter voltado a subir os juros esta quarta-feira, de os dados sobre a economia dos Estados Unidos reforçarem os argumentos a favor da normalização da política monetária. A prata ganha 0,32% para 16,8045 dólares.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MAS SERÁ QUE NEM HOJE DEIXAM O BCP SUBIR Há 1 semana

HARRE QUE É DEMAIS NEM HOJE QUE A FINTCH VAI SUBIR OS RATINGS DO BCP E DE PORTUGAL NEM HOJE DEIXAM O BCP SUBIR LIVRA QUE FOI TODA A SEMANA A DESCER TODA A TRAMPA A SUBIR e o MILENIUM BCP É SEMPRE MARRADO PARA BAIXO HARRE que já é DEMAIS

GLINTT Há 1 semana

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 26%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

pub
pub
pub
pub