Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas corrigem de máximos e euro atinge recorde de 2014 na véspera do BCE

Abertura dos mercados: Bolsas corrigem de máximos e euro atinge recorde de 2014 na véspera do BCE

As bolsas europeias estão em queda pela primeira vez em seis sessões, enquanto o euro segue em máximos de Dezembro de 2014 e o ouro no valor mais alto dos últimos quatro meses.
Abertura dos mercados: Bolsas corrigem de máximos e euro atinge recorde de 2014 na véspera do BCE
Rita Faria 24 de janeiro de 2018 às 09:07

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,28% para 5.775,80 pontos

Stoxx 600 perde 0,09% para 402,46 pontos

Nikkei desvalorizou 0,76% para 23.940,78 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,4 pontos base para 1,919%

Euro ganha 0,16% para 1,2318 dólares

Petróleo em Londres cai 0,33% para 69,73 dólares o barril

 

Bolsas europeias corrigem de máximos de 2015

As bolsas europeias estão em queda ligeira esta quarta-feira, 24 de Janeiro, depois de cinco sessões consecutivas de ganhos, que levaram o Stoxx600 para máximos de Agosto de 2015.

 

Em linha com os mercados accionistas globais, as acções europeias têm sido impulsionadas pela melhoria das estimativas para o crescimento mundial e pelos resultados das empresas relativos ao último trimestre de 2017.

 

Nesta altura, o índice de referência para a Europa perde 0,09% para 402,46 pontos, com o mercado já de olhos postos na reunião mensal do BCE, que decorrerá amanhã.

 

Em Lisboa, o PSI-20, que atingiu ontem o valor mais alto desde Julho de 2015, desce 0,28% para 5.775,80 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP. O banco liderado por Nuno Amado cai 1,26% para 32,97 cêntimos, depois de ter negociado na terça-feira em máximos de Junho de 2016.

 

Juros de Portugal em alta acompanham tendência da Europa

Os juros da dívida portuguesa estão a subir em todas as maturidades, em linha com a tendência dos pares europeus. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos avança 1,4 pontos para 1,919%, no dia em que o país vai antecipar o pagamento de 800 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

Em Espanha, os juros agravam-se em 1,5 pontos para 1,372% e em Itália 1,5 pontos para 1,904%. Já na Alemanha a subida é de 0,8 pontos para 0,570%.  

 

Euro em máximos de Dezembro de 2014

A moeda única europeia está a valorizar face ao dólar pela terceira sessão consecutiva, tendo atingido já o valor mais alto desde Dezembro de 2014.

 

Nesta altura, o euro ganha 0,16% para 1,2318 dólares, depois de já ter tocado em 1,2335 dólares, um máximo de mais de três anos.

 

Esta evolução acontece na véspera da reunião mensal do BCE, com os investidores a aguardarem sinais sobre a altura em que o banco central poderá retirar os estímulos à economia. A forte recuperação da Zona Euro tem alimentado a especulação de que a retirada pode ser feita mais cedo do que o previsto.  

 

Petróleo desce antes dos dados das reservas

O ouro negro segue em queda ligeira nos mercados internacionais depois de o Instituto Americano do Petróleo ter revelado que os inventários de crude aumentaram em 4,76 milhões de barris na semana passada, o que, a confirmar-se, será a primeira subida em dez semanas. Os dados da Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos serão conhecidos esta quarta-feira.

 

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 0,03% para 64,45 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,26% para 69,78 dólares.

 

Ouro em máximos de Setembro

O ouro está a valorizar pela quinta sessão consecutiva e a negociar no valor mais elevado desde Setembro do ano passado, numa altura em que, segundo a Bloomberg, os investidores estão a aumentar as suas compras deste metal precioso através de ETFs. O metal amarelo contraria, desta forma, a evolução do dólar norte-americano, que segue em mínimos de três anos.  

 

Nesta altura, o ouro ganha 0,36% para 1.346,01 dólares, enquanto a prata avança 0,60% para 17,1545 dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub