Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas e juros em alta ligeira antes do BCE

Abertura dos mercados: Bolsas e juros em alta ligeira antes do BCE

As bolsas europeias estão a negociar em alta ligeira, antes de serem conhecidas as conclusões da reunião do BCE. O petróleo alivia de máximos e o euro ganha pela quarta sessão.
Abertura dos mercados: Bolsas e juros em alta ligeira antes do BCE
Rita Faria 07 de setembro de 2017 às 09:13

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,04% para 5.131,80 pontos

Stoxx 600 ganha 0,03% para 374,08 pontos

Nikkei valorizou 0,20% para 19.396,52 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,3 pontos para 2,849%

Euro valoriza 0,21% para 1,1941 dólares

Petróleo em Londres desce 0,13% para 54,13 dólares o barril

 

Bolsas europeias com ganhos ligeiros
As bolsas europeias seguem em alta ligeira esta quinta-feira, 7 de Setembro, prolongando o optimismo da sessão norte-americana e asiática, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump ter chegado ontem a um acordo com os democratas para aumentar o tecto da dívida dos Estados Unidos e garantir o financiamento do governo até 15 de Dezembro.

 

A travar maiores ganhos está a valorização do euro, que pesa sobretudo no desempenho das empresas exportadoras, com maior exposição ao mercado externo.

 

O índice de referência para a Europa ganha 0,03% para 374,08 pontos.

 

Em Lisboa, o PSI-20 sobe 0,04% para 5.131,80 pontos, animado sobretudo pela Galp Energia, que valoriza 0,39% para 14,16 euros.

 

Juros da dívida pouco alterados à espera do BCE

Os juros da dívida da generalidade dos países do euro estão pouco alterados esta manhã, antes de serem conhecidas as conclusões da reunião mensal de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) que se realiza esta quinta-feira.

 

Não se espera qualquer alteração nos juros, sendo que a maioria dos economistas acredita que Mario Draghi vai aproveitar o encontro para preparar terreno para o anúncio, em Outubro, da diminuição do valor do programa de compra de activos a partir de 2018.

 

A ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos sobe 0,3 pontos para 2,849%, enquanto na Alemanha o avanço é de 1,1 pontos para 0,359%, o que coloca o spread da dívida portuguesa face à germânica nos 249 pontos.

 

Euro valoriza pela quarta sessão
O euro está a ganhar terreno face ao dólar pela quarta sessão consecutiva, num dia em que o presidente do BCE, Mario Draghi, poderá dar pistas sobre a retirada dos estímulos à economia e deixar alertas sobre a valorização da moeda única.

 

Esta evolução acontece ainda depois de o vice-presidente da Reserva Federal norte-americana, Stanley Fischer ter anunciado que vai abandonar o cargo em meados de Outubro, dando margem a Trump para reformular a liderança da Fed mais cedo do que o previsto.  

O euro ganha 0,21% para 1,1941 dólares.

 

Petróleo em queda ligeira após máximos de Maio
O petróleo está a negociar em queda ligeira nos mercados internacionais, depois de ter atingido ontem o valor mais alto desde Maio.

 

Nesta altura, o Brent cai 0,13% para 54,13 dólares, enquanto o West Texas Intermediate (WTI), desce 0,24% para 49,04 dólares.

 

Os preços do crude foram sustentados pela reabertura das refinarias após a passagem do furacão Haley no Texas, o que intensificou a procura desta matéria-prima.

Hoje, a Administração de Informação em Energia (EIA – sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia) apresentará o seu relatório com os dados semanais sobre os inventários de petróleo e de gás natural. 

 

Ouro valoriza em cinco das últimas seis sessões 

O metal precioso mantém a tendência de subida, numa altura em que as decisões dos principais bancos centrais mundiais continuam em foco. O ouro, que subiu em cinco das últimas seis sessões, valoriza nesta altura 0,27% para 1.337,78 dólares, enquanto a prata desce 0,02% para 17,8763 dólares.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Menoli Há 1 semana

Olá luis: não apontes porque é feio apontar. Queres dizer .50 ou .05?
Cumprimentos e bons negócios ( sem bcp).

Little Wolf Há 1 semana

Eu confesso estar estupefacto com a manipulação dos hedge funds sobre o BCP.
Os fundamentais inclusive melhoraram com o rating da Moodys sobre Portugal, e continuam a marrar no BCP.
Aviso que não falta muito para um enorme "short squeeze" e o BCP voltar a ter tendencia positiva.

Luis Há 1 semana

O BCP tem mais força que o Irma. Aponto para .50 antes do fim do ano

pub