Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas e ouro sobem à espera de Powell. Petróleo acima dos 75 dólares

Abertura dos mercados: Bolsas e ouro sobem à espera de Powell. Petróleo acima dos 75 dólares

As principais praças bolsistas da Europa valorizam na expectativa do discurso do presidente do banco central norte-americano, assim como o ouro que aprecia face à queda do dólar. Já o petróleo valoriza devido aos riscos que podem determinar novas quebras da oferta global.
Abertura dos mercados: Bolsas e ouro sobem à espera de Powell. Petróleo acima dos 75 dólares
Bloomberg
David Santiago 24 de agosto de 2018 às 09:27

Os mercados em números

PSI-20 cai 0,10% para 5.484,97 pontos

Stoxx 600 ganha 0,19% para 384,09 pontos

Nikkei valorizou 0,22% para 22.601,77 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,1 pontos base para 1,8%

Euro aprecia 0,21% para 1,1564 dólares

Petróleo em Londres avança 0,63% para 75,20 dólares

Bolsas europeias animadas antes de Powell falar

Depois de uma sessão com sentimentos divididos na Ásia, as principais praças europeias negoceiam em alta no início da sessão desta sexta-feira, 24 de Agosto. O índice de referência europeu Stoxx 600 soma 0,19% para 384,09 pontos, na primeira subida em três sessões. A impulsionar o índice que agrega as 600 maiores cotadas do velho continente estão os sectores europeus das matérias-primas, automóvel e financeiro.

 

A contrariar a tendência dominante está o lisboeta PSI-20 que recua 0,10% para 5.484,97 pontos, no segundo dia seguido no vermelho.

 

Depois de terem terminado sem sucesso as conversações entre a China e os Estados Unidos que tinham como objectivo equilibrar a relação comercial entres as duas maiores economias mundiais e evitar nova escalada na tensão entre os dois países, os investidores estão agora na expectativa do discurso de Jerome Powell marcado para hoje em Jackson Hole, na expectativa de pistas quanto ao rumo da política monetária de Washington.


Euro volta a apreciar face ao dólar e libra recua

Após ontem ter interrompido uma série de cinco sessões em alta face ao dólar, a moeda única europeia segue novamente a apreciar relativamente à divisa norte-americana, estando o euro nesta altura a avançar 0,21% para 1,1564 dólares.

 

Já a libra está a perder terreno em relação ao euro pelo terceiro dia consecutivo, tendo mesmo já tocado no valor mais baixo face ao euro desde 9 de Agosto (1,1077 euros). A libra continua a ser penalizada pela incerteza em torno do processo do Brexit.

Juros da Itália sobem após nova ameaça de governo eurocéptico

Os juros das dívidas públicas seguem novamente estáveis na Zona Euro, designadamente no que diz respeito aos chamados países periféricos.

 

A variação mais significativa e ainda assim pouco acentuada diz respeito à "yield" associada aos títulos soberanos da Itália com prazo a 10 anos que sobe 1,1 pontos base para 3,1%, isto depois de ontem o vice-primeiro-ministro Di Maio ter ameaçado que Roma pode deixar de contribuir para o orçamento da União Europeia se os parceiros europeus não aceitarem acolher os requerentes de asilo que permanecem numa embarcação atracada na Sicília.

 

Já a taxa de juro correspondente às obrigações de dívida de Portugal com maturidade a 10 anos sobe ligeiramente (+0,1 pontos base) para 1,8%, no terceiro dia em alta, enquanto a "yield" das "bunds" germânicas sobe também 0,1 pontos base para 0,340%.

 

Crude recupera com riscos a ameaçarem oferta petrolífera

O preço do petróleo está a valorizar nos mercados internacionais, sendo que o Brent do Mar do Norte, transaccionado em Londres e utlizado como valor de referência para as importações nacionais, sobe 0,63% para 75,20 dólares, isto depois de esta manhã ter alcançado um máximo de 16 de Julho ao tocar nos 75,33 dólares por barril.

 

Já o West Texas Intermediate (WTI), que é negociado em Nova Iorque, está a ganhar 0,71% para 68,31 dólares, tendo hoje já tocado em máximos de 8 de Agosto. O crude encaminha-se para fechar esta semana com a primeira valorização semanal em dois meses.

 

A justificar este comportamento da matéria-prima está o crescente risco de redução da oferta global devido às greves na exploração da gaulesa Total no Mar do Norte  e também devido à incerteza relativamente à produção petrolífera iraniana que foi alvo de sanções dos Estados Unidos.

 

Ouro e prata valorizam

O metal dourado sobe 0,37% para 1.190 dólares por onça e o metal prateado ganha 0,90% para 14,6330 dólares, sendo que o ouro está a caminho de fechar a semana com um saldo acumulado positivo, o que a confirmar-se será a primeira valorização semanal em sete.

 

Perante a desvalorização do dólar e na antecâmara do discurso em que Jerome Powell poderá deixar indicação quanto ao ritmo e alcance da subida de juros na maior economia do mundo.




pub