Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas e petróleo em queda. Metais industriais em máximos

Abertura dos mercados: Bolsas e petróleo em queda. Metais industriais em máximos

As bolsas europeias estão a negociar em terreno negativo, antes do discurso de Mario Draghi no Parlamento Europeu. O petróleo desce mais de 1%, enquanto o euro valoriza mais de 0,5% face ao dólar.
Abertura dos mercados: Bolsas e petróleo em queda. Metais industriais em máximos
Bloomberg
Rita Faria 28 de Novembro de 2016 às 09:38

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,56% para 4.436,94 pontos

Stoxx 600 perde 0,82% para 339,63 pontos

Nikkei desvalorizou 0,13% para 18.356,89 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,3 pontos base para 3,610%

Euro ganha 0,74% para 1,0667 dólares

Petróleo em Londres desce 1,33% para 46,61 dólares o barril

Bolsas europeias em queda

As bolsas europeias estão a negociar em queda esta segunda-feira, 28 de Novembro, dia em que os investidores vão estar atentos ao discurso do presidente do BCE, no Parlamento Europeu. Mario Draghi vai falar sobre as decisões de política monetária, menos de duas semanas antes da próxima reunião mensal, a 8 de Dezembro.  

O índice de referência para a Europa, o Stoxx 600 perde 0,82% para 339,63 pontos, penalizado sobretudo pelo sector da energia e pela banca.

Na bolsa nacional, depois de ter iniciado a sessão no verde, o PSI-20 já desce 0,56% para 4.436,94 pontos, pressionado pelo BCP, Jerónimo Martins e Galp Energia.

Juros sobem na Europa

Os juros da dívida portuguesa estão a subir em todas as maturidades, acompanhando a tendência de agravamento ligeiro que se estende à generalidade dos países do euro, com excepção da Alemanha. Por cá, a ‘yield’ associada às obrigações a dez anos avança 1,3 pontos base para 3,610%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, a subida é de 0,9 pontos para 1,582%. Na Alemanha, os juros das bunds a dez anos deslizam 2,9 pontos para 0,212%.

Dólar cai pela segunda sessão

O índice que mede o desempenho do dólar face às principias congéneres mundiais está a cair pela segunda sessão consecutiva, corrigindo dos fortes ganhos registados desde a vitória de Trump nas eleições norte-americanas.

Esta semana, os investidores vão estar atentos à divulgação dos dados sobre o PIB e sobre o emprego nos Estados Unidos, para avaliar se serão compatíveis com uma subida dos juros já em Dezembro.

Petróleo desce antes da reunião da OPEP

O petróleo está a perder terreno nos mercados internacionais, devido ao cepticismo sobre a capacidade de os membros da OPEP finalizarem um acordo para cortar a produção na reunião agendada para esta quarta-feira, 30 de Novembro, em Viena.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 1,28% para 45,47 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 1,33% para 46,61 dólares.

Este domingo, a Arábia Saudita sugeriu, pela primeira vez, que a OPEP não tem, necessariamente, de cortar a produção, e retirou-se da negociação agendada com produtores não pertencentes ao cartel, incluindo a Rússia.

Zinco em máximos de mais de nove anos

O zinco está próximo do valor de fecho mais elevado em mais de nove anos, enquanto o chumbo se prepara para atingir máximos de 2011.

Os metais industriais valorizam cerca de 30% em 2016, depois de três anos de perdas, impulsionados pela estabilização da procura na China e, mais recentemente, pela vitória de Trump nas eleições dos Estados Unidos, devido à sua promessa de aumentar o investimento em infra-estrutura.

Contrariando a evolução da moeda norte-americano, o ouro sobe 1,01% para 1.195,46 dólares, enquanto a prata valoriza 1,6% para 16,7968 dólares.  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub