Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas em alta com atenuar de receios em torno da Coreia. Ouro desce

Abertura dos mercados: Bolsas em alta com atenuar de receios em torno da Coreia. Ouro desce

O agravamento da tensão com a Coreia do Norte continua a pairar nos mercados, contudo, os investidores estão já a voltar ao mercado de acções, levando as bolsas europeias aos ganhos e o ouro às quedas ligeiras.
Abertura dos mercados: Bolsas em alta com atenuar de receios em torno da Coreia. Ouro desce
Reuters
Ana Laranjeiro 05 de setembro de 2017 às 09:30

Os mercados em números

PSI-20 ganha 0,35% para 5.181,68 pontos

Stoxx 600 valoriza 0,33% para 375,43 pontos

Nikkei desvalorizou 0,63% para 19.385,81 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 0,4 pontos base para 2,836%

Euro recua 0,15% para 1,1878 dólares

Petróleo perde 0,27% para 52,20 dólares por barril, em Londres

Investidores regressam aos mercados accionistas

As principais praças europeias estão a negociar em alta, um sinal de que os investidores podem estar a voltar a sua atenção novamente para os mercados accionistas. Os receios em torno de questões geopolíticas, fruto da realização de mais um teste nuclear pela Coreia do Norte, continuam a pairar entre os investidores.

Contudo, esta terça-feira são revelados dados económicos, como os dados do PMI da moeda única que colocam a região a caminho do maior crescimento numa década. Há notícias de fusões e aquisições no sector das tecnologias, o que podem estar a impulsionar as acções no Velho Continente.

Além disso, podem estar no mercado mais agentes uma vez que as bolsas norte-americanas voltam hoje a negociar depois do feriado de ontem, o que pode estar também a contribuir para esta evolução positiva.

A liderar os ganhos na Europa está o índice grego e o índice alemão, sobem ambos 0,56%, seguidos pelo FTSE MIB, que avança 0,40%. O Stoxx 600, índice de referência, aprecia 0,33%.

Juros em alta

Os juros da dívida pública portuguesa estão a subir no mercado secundário. A dez anos, o prazo considerado de referência, as "yields" sobem 0,4 pontos base para 2,836%. No caso da dívida da Alemanha, os juros exigidos pelos investidores para trocarem dívida entre si avançam 1,1 pontos base para 0,377%. O prémio de risco da dívida nacional está nos 242,3%.


Este comportamento tem lugar a cerca de 48 horas do encontro do Banco Central Europeu (BCE). Em cima da mesa vai estar a política monetária na área do euro e uma dos temas que pode ser abordado é o programa de compra de activos em curso.

Euro em queda

A moeda da Zona Euro está a alivar das subidas recentes, recuando 0,15% para 1,1878 dólares. Na conferência de imprensa após o encontro do BCE, Mario Draghi, líder da autoridade monetária, deve deixar alertas sobre a valorização que o euro tem vindo a registar, acreditam economistas consultados nos últimos dias pela Bloomberg. Apesar da depreciação que regista, desde o início do ano o euro acumula um ganho próximo de 13% (+12,912%).

Petróleo sem rumo

Os preços do petróleo estão sem uma tendência definida nos mercados internacionais. O West Texas Intermediate sobe 0,55% para 47,55 dólares por barril, numa altura em que a gasolina caiu para o valor mais baixo em mais de uma semana.

As refinarias norte-americanas, localizadas no Texas, nomeadamente no Golfo do México, estão a recuperar da passagem do furacão Harvey, que acabou por ditar o encerramento destas infra-estruturas.

O Brent do Mar do Norte, referência para as importações nacionais, desce 0,27% para 52,20 dólares por barril.

Ouro em queda ligeira

Esta terça-feira, o ouro esteve já muito próximo de máximos de quase um ano, atingindo ontem. Contudo, por esta altura, o metal amarelo, para entrega imediata, cede 0,14% para 1.332,05 dólares por onça. Isto numa altura em que as bolsas europeias estão do lado dos ganhos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Helder 05.09.2017

Melhor não apostar muito na Samsung

pub