Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas em alta ligeira em dia de resultados na Europa

Abertura dos mercados: Bolsas em alta ligeira em dia de resultados na Europa

As bolsas europeias estão a negociar com sinal verde, animadas pelos resultados de empresas, como o Deutsche Bank, que superaram as estimativas. O petróleo segue em alta ligeira, tal como a moeda única.
Abertura dos mercados: Bolsas em alta ligeira em dia de resultados na Europa
Reuters
Rita Faria 27 de Outubro de 2016 às 09:34
Os mercados em números
PSI-20 sobe 0,38% para 4.719,31 pontos
Stoxx 600 ganha 0,01% para 341,80 pontos
Nikkei desvalorizou 0,32% para 17.336,42 pontos
Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 3,1 pontos base para 3,238%
Euro valoriza 0,04% para 1,0913 dólares
Petróleo em Londres sobe 0,26% para 50,11 dólares o barril
 
Bolsas europeias entre ganhos e perdas ligeiras
As bolsas europeias iniciaram a sessão desta quinta-feira, 27 de Outubro, em queda ligeira. No entanto, a maioria dos índices já inverteu para terreno positivo, impulsionados pelos resultados de empresas como o Deutsche Bank, que superaram as estimativas. O banco alemão regressou aos lucros no terceiro trimestre, quando os analistas antecipavam prejuízos de quase 400 milhões de euros.
 
No plano nacional, o PSI-20 sobe 0,38% para 4.719,31 pontos, animado sobretudo pela Galp Energia, que avança 1% para 12,665 euros.  
 
Juros sobem na Europa
Os juros da dívida pública portuguesa estão a subir em todas as maturidades acompanhando a tendência que se estende à generalidade dos países da Zona Euro. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos sobe 3,1 pontos base para 3,238%, depois de o Tesouro português se ter financiado, ontem, em mil milhões de euros num leilão de obrigações a cinco anos em que pagou juros mais baixos.
 
Em Espanha, os juros da dívida a dez anos avançam 5,8 pontos para 1,187%, enquanto na Alemanha, a subida é de 1,6 pontos para 0,101%.
 
Dólar avança com perspectivas de subida dos juros
O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está a subir 0,4%, preparando-se para completar, no início da próxima semana, a maior valorização mensal desde Maio.
 
A divisa dos Estados Unidos está a ser impulsionada pela crescente expectativa de que a Reserva Federal dos Estados Unidos vai subir os juros até ao final deste ano, enquanto os outros grandes bancos centrais ainda não consideram uma retirada dos estímulos.
 
Petróleo próximo de mínimos de três semanas
O petróleo está a negociar em alta ligeira nos mercados internacionais, depois de a Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos ter revelado que as reservas de crude na costa oeste do país caíram em 2,3 milhões de barris na semana passada para 47 milhões de barris, o valor mais baixo desde Janeiro de 2015.
 
O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,10% para 49,23 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, sobe 0,26% para 50,11 dólares o barril.

Um comité da OPEP vai reunir-se esta semana, para tentar superar as divergências entre os membros sobre a forma como o corte de produção será distribuído.
 
Ouro em alta ligeira à espera de dados dos EUA
 
O metal precioso está em alta ligeira, numa altura em que os investidores aguardam pela divulgação de dados económicos nos Estados Unidos, para avaliar a probabilidade de uma subida dos juros até ao final do ano – uma hipótese cada vez mais apontada.

Esta quinta-feira serão conhecidos os dados sobre as encomendas de bens duradouros e, amanhã, a primeira estimativa para o PIB do terceiro trimestre.

O ouro ganha 0,18% para 1.269,33 dólares, enquanto a prata ganha 0,22% para 17,6671 dólares.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub