Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas em queda e juros em alta. Ouro em máximos de quatro semanas

Abertura dos mercados: Bolsas em queda e juros em alta. Ouro em máximos de quatro semanas

As principais praças europeias seguem em queda ligeira, enquanto os juros da dívida dos periféricos voltam a subir esta quinta-feira. Já o euro continua a recuperar face ao dólar. O ouro negoceia no valor mais alto desde 7 de Dezembro.
Abertura dos mercados: Bolsas em queda e juros em alta. Ouro em máximos de quatro semanas
Bloomberg
David Santiago 05 de janeiro de 2017 às 09:44

Os mercados em números

PSI-20 cai 0,15% para 4.734,18 pontos

Stoxx 600 cede 0,05% para 365,07 pontos

Nikkei deslizou 0,37% para 19.520,69 pontos

Yield 10 anos de Portugal sobe 2,8 pontos base para 3,922%

Euro valoriza 0,17% para 1,0507 dólares

Brent recua 0,14% para 56,38 dólares por barril

 

Bolsas europeias em queda

As bolsas europeias negoceiam em queda penalizadas pelas seguradoras que estão a negociar em terreno negativo já depois de o JPMorgan ter cortado a avaliação a várias cotadas deste sector. Também a penalizar o sentimento na Europa está a queda do dólar que fez elevar a preocupação em torno de uma possível revalorização do euro face à divisa norte-americana, o que acabaria por prejudicar os lucros das empresas europeias.

 

O Stoxx600, que junta as 600 maiores cotadas europeias, com uma queda de apenas 0,05% para 365,07 pontos é um dos índices que menos perde neste início de sessão. Já o PSI-20 está a resvalar 0,15% para 4.734,18 pontos.

 

O destaque neste início de sessão vai para o índice britânico Footsie que segue a valorizar 0,18% para 7.202,60 pontos numa manhã em que já tocou no valor mais alto de sempre ao negociar nos 7.211,96 pontos.

 

Nota ainda para as bolsas asiáticas que esta quinta-feira valorizaram pelo oitavo dia consecutivo apoiadas pelos dados positivos relacionados com a produção industrial e o sector dos serviços que foram conhecidos na Europa, nos Estados Unidos e também na própria Ásia.

 

Juros voltam a negociar em alta

Depois da subida registada, na terça-feira, nos juros da dívida que se seguiu à divulgação da subida acima do esperado da inflação na Alemanha, e do alívio verificado ontem, os juros da dívida pública seguem esta quinta-feira em alta.

 

A taxa de juro associada às obrigações portuguesas com prazo a 10 anos está a subir 2,8 pontos base para 3,922%. Tendência idêntica é a verificada nos juros da dívida pública italiana e espanhola, que na maturidade a 10 anos segue a crescer 4,8 e 3,2 pontos base para 1,482% e 1,901%, respectivamente. Já os juros da Alemanha estão a cair 0,1 pontos, o que eleva para 363,04 pontos o prémio de risco da dívida portuguesa.

 

Euro continua a recuperar

A divisa europeia prossegue a recuperação face ao valor mais baixo desde 2003 atingido na terça-feira. O euro segue a valorizar face ao dólar pelo segundo dia seguido, estando mesmo a transaccionar nos mercados cambiais no valor mais elevado desde 30 de Dezembro comparativamente com a moeda norte-americana.

Por sua vez o dólar desvaloriza numa altura em que os investidores mostram apreensão face aos sinais de que a China pretende promover uma desvalorização do yuan para assim potenciar as suas exportações. 

 

Petróleo desvaloriza em Londres e Nova Iorque

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais. Em Londres, o Brent perde 0,14% para 56,38 dólares por barril, enquanto em Nova Iorque o West Texas Intermediate (WTI) recua 0,11% para 53,20 dólares.

 

Esta tendência verifica-se apesar de ter sido divulgado que a produção dos países exportadores de petróleo (OPEP) caiu em 310 mil barris por dia em Dezembro último. Esta redução não programada ficou sobretudo a dever-se à redução da produção da Nigéria num volume diário de 200 mil barris por dia.

 

Ouro em máximos de quatro semanas após queda do dólar

O ouro está a transaccionar em máximos de 7 de Dezembro, na terceira sessão consecutiva a valorizar. O metal precioso está a somar 0,75% para 1.172,43 dólares por onça, tendo já tocado nos 1.179,43 dólares por onça. A contribuir para esta subida está a desvalorização do dólar. Isto depois de esta quarta-feira, ao final da tarde em Lisboa, a Reserva Federal ter divulgado as minutas relativas à reunião de 13 e 14 de Dezembro, com a Fed a reiterar a intenção de proceder a uma subida "gradual" dos juros.

Também a prata está a ganhar 0,67% para 16,5422 dólares, numa manhã em que o metal prateado está a transaccionar no valor mais alto desde 15 de Dezembro.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub