Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas em queda e ouro em alta à espera de Theresa May

Abertura dos mercados: Bolsas em queda e ouro em alta à espera de Theresa May

As bolsas europeias iniciaram o dia em queda na expectativa pelo discurso de Theresa May. Os juros da dívida pública seguem a aliviar pela quinta sessão, enquanto o ouro está em máximos de 22 de Novembro.
Abertura dos mercados: Bolsas em queda e ouro em alta à espera de Theresa May
David Santiago 17 de janeiro de 2017 às 09:39

Os mercados em números

PSI-20 soma 0,03% para 4.577,98 pontos

Stoxx 600 perde 0,52% para 361,08 pontos

Nikkei desvalorizou 1,48% para 18.813,53 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos caem 3,1 pontos para 3,822%

Euro valoriza 0,59% para 1,0663 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,11% para 55,92 dólares o barril

 

Bolsas europeias em queda à espera do discurso de May

As bolsas europeias abriram a sessão desta terça-feira, 17 de Janeiro, em terreno negativo, negociando em queda pelo segundo dia consecutivo, numa altura em que os investidores estão expectantes em relação ao discurso que a primeira-ministra britânica, Theresa May, fará a partir das 11:45 em Londres (a mesma hora em Lisboa). O índice de referência europeu, Stoxx 600, recua 0,52% para 361,08 pontos.

 

May deverá hoje anunciar detalhes relativamente ao plano britânico de saída da União Europeia (UE), acreditando-se que a governante anuncie a intenção do Reino Unido deixar de integrar também o mercado único europeu. Esta expectativa foi reforçada pelas recentes declarações em que Theresa May mostrou indisponibilidade para ficar "meio dentro, meio fora" da UE.

 

No plano nacional, o PSI-20 segue a ganhar ténues 0,03% para 4.557,98 euros num início de sessão em que a bolsa lisboeta já alternou entre ganhos e perdas. O destaque neste início de sessão vai para o BCP que está agora a somar 15,31% para 0,1595 euros depois de já ter estado a disparar acima de 25,5%. Esta terça-feira as acções do banco sofreram um ajuste técnico para reflectir o facto de passarem a negociar em bolsa destacadas dos direitos de subscrição do aumento de capital.

 

Juros da dívida pública aliviam pelo quinto dia

Os juros da dívida pública portuguesa estão a registar descidas nas maturidades mais longas, acompanhando a tendência que se verifica nos países da moeda única. A ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos cai 3,1 pontos para 3,822%, naquele que é já o quinto dia em que os juros nesta maturidade aliviam. Em Espanha e em Itália verifica-se igual tendência no mesmo prazo, com os juros espanhóis a dez anos a recuarem 5 pontos base para 1,379% e os italianos a caírem 4,6 pontos base para 1,866%. Na Alemanha a tendência é a mesma, com os juros da dívida a dez ano a caírem 3,0 pontos base para 0,293%.

  

Euro e libra valorizam face ao dólar

O euro está a valorizar contra o dólar americano, com a moeda única europeia a subir 0,59% para 1,0663 dólares. Já a libra está a ganhar 0,62% para 1,2122 dólares, isto depois de ontem a divisa britânica ter negociado nos mercados cambiais em mínimos de 7 de Outubro face à moeda norte-americana, penalizada pelo receio relativamente ao impacto do Brexit.

 

Petróleo sobe com expectativa de equilíbrio em Junho

O preço do petróleo está a negociar em alta nos mercados internacionais depois de a Arábia Saudita ter anunciado esperar que o corte da produção petrolífera da OPEP permitirá ter equilibrado o mercado desta matéria-prima em Junho.

 

Em Londres, o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, está a subir ligeiros 0,11% para 55,92 dólares por barril. Já o West Texas Intermediate (WTI), transaccionado em Nova Iorque, sobe 0,50% para 52,63 dólares.

 

Ouro em máximos de 22 de Novembro

O metal precioso negoceia em alta pela sétima sessão consecutiva e em máximos de 22 de Novembro, estando a valorizar 0,87% para 1.213,19 dólares por onça. A justificar a tendência de valorização do ouro está o receio em torno dos riscos económicos e políticos relacionados com o Brexit. Também a prata avança, para máximos de quase um mês - 14 de Dezembro - ganhando 1,13% para 16,999 dólares.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Sonae sempre a brilhar...

pub
pub
pub
pub