Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas entre ganhos e perdas. Petróleo alivia de máximos e ouro de mínimos

Abertura dos mercados: Bolsas entre ganhos e perdas. Petróleo alivia de máximos e ouro de mínimos

As bolsas europeias dividem-se entre ganhos e perdas pouco acentuadas, na segunda sessão depois da vitória do "não" no referendo italiano. Os juros seguem em queda ligeira, enquanto o euro ganha pela quarta sessão.
Abertura dos mercados: Bolsas entre ganhos e perdas. Petróleo alivia de máximos e ouro de mínimos
Bloomberg
Rita Faria 06 de dezembro de 2016 às 09:36

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,51% para 4.433,34 pontos

Stoxx 600 desce 0,08% para 340,99 pontos

Nikkei valorizou 0,47% para 18.360,54 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 2,3 pontos base para 3,680%

Euro sobe 0,11% para 1,0776 dólares

Petróleo em Londres recua 0,93% para 54,43 dólares o barril

 

Bolsas europeias entre ganhos e perdas

Os principais índices europeus estão divididos entre ganhos e perdas pouco acentuadas nesta que é a segunda sessão depois da vitória do "não" no referendo italiano sobre as reformas constitucionais.

 

Na segunda-feira, os investidores digeriram bem o resultado da consulta popular, com a maioria das bolsas europeias a valorizar mais de 0,5%.

 

Nesta altura o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, desce 0,08% para 340,99 pontos, com os investidores já de olhos postos na reunião mensal do BCE que se vai realizar esta quinta-feira. As bolsas de Itália, Espanha, Grécia e Portugal seguem em alta, enquanto os restantes índices estão no vermelho.

 

Na bolsa de Lisboa, o PSI-20 sobe 0,51% para 4.433,34 pontos, animado sobretudo pela EDP e pelo BCP. O banco liderado por Nuno Amado valoriza 1,29% para 1,1396 euros enquanto a eléctrica soma 1,37% para 2,732 euros.


Juros aliviam na Europa
Os juros da dívida da generalidade dos países do euro estão a aliviar esta terça-feira, depois das subidas registadas na sessão de ontem. Em Portugal, a ‘yield’ associada às obrigações a dez anos cai 2,3 pontos base para 3,680%, enquanto, em Espanha, no mesmo prazo, a descida é de 0,9 pontos para 1,543%.

 

Já em Itália, a ‘yield’ desce 2,1 pontos para 1,963% depois de ter chegado a disparar ontem mais de 15 pontos base, em reacção ao resultado do referendo. Isso num dia em que o sector da banca italiana foi fortemente castigado em bolsa, e em que o índice transalpino foi o único que escapou aos ganhos.

 

Euro sobe pela quarta sessão
A moeda única europeia está a negociar em alta pela quarta sessão consecutiva, a dois dias da reunião mensal do Banco Central Europeu (BCE) em que Mario Draghi poderá anunciar um reforço do programa de compra de activos. O euro sobe 0,11% para 1,0776 dólares, depois de ter chegado a afundar para mínimos de Março de 2015 durante a sessão de ontem.

 

Petróleo alivia de máximos de Julho de 2015

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, depois de ter atingido ontem o valor mais alto desde Julho de 2015.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 1,27% para 51,13 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,93% para 54,43 dólares.

 

Esta evolução acontece depois de ter sido noticiado que a produção do cartel atingiu um novo recorde em Novembro, impulsionada pelas exportações do Iraque e pela oferta de dois países que estão isentos de participar no acordo de redução da produção: a Nigéria e a Líbia. O mercado aguarda agora as reuniões entre os membros da OPEP com outros produtores não pertencentes ao cartel, com o objectivo de garantir mais cooperação nos cortes da oferta.

 

Ouro valoriza após mínimos de 10 meses

Depois de ter atingido ontem o valor mais baixo em dez meses – recuou um máximo de 1,7% para 1.157,26 dólares – o ouro está a negociar em alta esta terça-feira, com um indicador técnico a mostrar que as recentes descidas terão sido excessivas. O ouro ganha 0,22% para 1.172,91 dólares por onça, enquanto a prata valoriza 0,19% para 16,7838 dólares. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub