Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas europeias acompanham entusiasmo de Wall Street

Abertura dos mercados: Bolsas europeias acompanham entusiasmo de Wall Street

O arranque de sessão está a ser marcado pela subida generalizada das bolsas europeias, bem como dos máximos da libra, e da subida das taxas de juro implícitas na dívida europeia.
Abertura dos mercados: Bolsas europeias acompanham entusiasmo de Wall Street
Sara Antunes 29 de novembro de 2017 às 09:09

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,89% para 5.323,94 pontos

Stoxx 600 avança 0,70% para 389,72 pontos

Nikkei valorizou 0,49% para 22.597,20 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal sobe 0,5 pontos base para 1,928%

Euro aprecia 0,20% para 1,1864 dólares

Petróleo recua 0,44% para 63,33 dólares por barril em Londres

 

Bolsas europeias acompanham optimismo de Wall Street

As bolsas europeias seguem em alta, a beneficiar do optimismo que impera nos EUA, muito devido ao plano fiscal da administração Trump. A expectativa em torno do aumento dos lucros das empresas americanas, por via deste plano fiscal, está a sustentar Wall Street, que tem renovado máximos históricos, e a contagiar a Europa. 

Assim, o Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, sobe 0,70%, com a generalidade dos índices a apreciar.

E Lisboa não é excepção. O PSI-20 ganhar 0,89%, a beneficiar dos ganhos do BCP, num dia em que o banco liderado por Nuno Amado está no mercado a emitir dívida e em que foi alvo de uma nota de análise por parte do JPMorgan, com o banco de investimento a elevar a sua avaliação para 0,30 euros. 

 

Juros com ganhos ligeiros

As taxas de juro implícitas na dívida nacional estão a subir na generalidade dos prazos, a acompanhar a tendência que impera um pouco por toda a Europa. A "yield" das obrigações portuguesas a 10 anos está a subir 0,5 pontos base para 1,928%. Já a taxa associada às obrigações alemãs para o mesmo prazo está a avançar 1,7 pontos base para 0,356%, o que deixa o prémio de risco da dívida nacional nos 157,2 pontos base.
 

Libra em máximos de dois meses

A libra está a subir, e a negociar em máximos de dois meses, a beneficiar dos desenvolvimentos em torno do Brexit. Londres e Bruxelas já terão acordado valor da factura do Brexit, o que reduz o nervosismo dos investidores. A libra está a subir contra as 16 principais moedas mundiais.

 

Petróleo recua com expectativa em torno das reservas

Os preços do petróleo estão a cair pelo terceiro dia consecutivo, numa altura em que se prevê que as reservas de petróleo e derivados dos EUA tenham voltado a aumentar, isto antes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) se reunir para decidir se prolonga os cortes de produção para além de Março, como está acordado. Assim, o barril de Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 0,44% para 63,33 dólares.

 

Ouro sobe com queda do dólar
O ouro segue com ganhos ligeiros (0,17% para 1.296,20 dólares por onça), numa altura em que o dólar está a registar uma queda, igualmente ligeira, sobretudo devido ao regresso da tensão geopolítica entre os EUA e a Coreia do Norte. Os investidores preferem assim proteger-se, investindo em activos considerados de refúgio, como é o caso do ouro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub