Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas europeias em terreno misto, euro e ouro recuperam de mínimos

Abertura dos mercados: Bolsas europeias em terreno misto, euro e ouro recuperam de mínimos

Neste início de sessão as principais praças europeias seguem sem uma tendência definida. Já o euro e o ouro recuperam dos mínimos verificados na última sessão, enquanto o petróleo segue a valorizar em torno de 1,5%.
Abertura dos mercados: Bolsas europeias em terreno misto, euro e ouro recuperam de mínimos
David Santiago 21 de Novembro de 2016 às 09:43

Os mercados em números

PSI-20 soma 0,13% para 4.426,11 pontos

Stoxx 600 desliza 0,19% para 338,73 pontos

Nikkei encerrou a ganhar 0,77% para 18.106,02 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 1,6 pontos base para 3,838%

Euro ganha 0,54% para 1,0646 dólares

Petróleo em Londres valoriza 1,54% para 47,58 dólares o barril

 

Bolsas europeias em terreno misto

As principais praças europeias estão a negociar sem uma tendência definida, continuando assim a demonstrar grande volatilidade. O índice de referência europeu Stoxx 600 recua 0,19%, acompanhado pelo índice espanhol Ibex que perde 0,10%. Já a principal praça grega ganha 1,20%, liderando os ganhos entre as principais praças do velho Continente.

 

No continente asiático o sentimento foi positivo, tendo o índice MSCI Asia Pacific subido 0,3% para 134,36 pontos. A estimular os ganhos na Ásia estiveram as cotadas energéticas que beneficiaram da subida do preço do petróleo.

 

Portugal escapa à tendência de subida dos juros

Os juros da dívida pública de Portugal estão a recuar 1,6 pontos base para 3,838% no prazo a dez anos, isto depois de esta manhã já terem negociado acima dos 3,9%. As obrigações lusas contrariam assim a tendência verificada nos periféricos.

 

Em Espanha a taxa de juro associada às obrigações com maturidade a dez anos a subir 0,8 pontos base pata 1,601% e em Itália sobem 1,8 pontos base para 2,111%. Também na Alemanha se verifica esta tendência, com a "yield" das obrigações germânicas (bunds) a subir 0,6 pontos base para 0,278%.

 

Euro recupera de mínimos de quase um ano

O euro está a recuperar face ao dólar, isto depois de na última sessão a divisa europeia ter sido negociada nos mercados cambiais no valor mais baixo desde Dezembro de 2015 relativamente à moeda norte-americana. O euro está a apreciar 0,54% para 1,0646 dólares.

 

Petróleo valoriza mais de 1%

Os preços do petróleo estão em alta nos mercados internacionais. Em Londres, o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, está a subir 1,54% para 47,58 dólares por barril e em Nova Iorque o West Texas Intermediate (WTI) está a ganhar 1,47% para 46,36 dólares.

 

A apoiar a valorização do petróleo está a expectativa de que a OPEP acorde, no encontro da próxima semana, o corte ao limite máximo da produção petrolífera. A contribuir para esta expectativa está a indicação dada pelo Irão de que está disponível para um corte na produção que continua em máximos históricos. Também o Iraque anunciou que apresentará novas propostas na reunião de Viena para a redução dos níveis de oferta.

 

Dólar recupera de mínimos de cinco meses

O ouro está a recuperar de mínimos de cinco meses atingidos na última sessão, seguindo a valorizar 0,54% para 1.216,35 dólares por onça. A contribuir para esta valorização está um indicador técnico que indica que o metal precioso sobrevendido. As perdas da semana passada verificaram-se devido à intenção do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, incrementar a despesa pública com a construção de infra-estruturas.

 

Já a prata está a subir 1,17% para 16,7614 dólares, após quase ter tocado no mercado urso.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub