Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas europeias regressam aos ganhos

Abertura dos mercados: Bolsas europeias regressam aos ganhos

As bolsas europeias voltaram ao verde, num dia em que o euro sobe, os juros portugueses avançam e o petróleo aprecia.
Abertura dos mercados: Bolsas europeias regressam aos ganhos
Reuters
Sara Antunes 13 de junho de 2017 às 09:25

As bolsas europeias seguem em alta, num dia em que as perdas no sector tecnológico pararam e em que Theresa May parece estar a conseguir chegar a bom porto nas negociações que lhe permitirão governar com maioria parlamentar através de uma coligação com o DUP.

 

O dia será marcado também pelo início da reunião da Reserva Federal (Fed) dos EUA, onde se prevê que seja anunciado um aumento de juros. Algo que só será confirmado esta quarta-feira, 14 de Junho, após o fim do encontro de governadores da Fed.

 

O Stoxx600, o índice que agrega as 600 maiores cotadas europeias, sobe 0,54% para 388,72 pontos. Já o índice português, o PSI-20, avança 0,42% para 5.280,05 pontos, numa altura em que a maioria das cotadas segue com ganhos ligeiros.

 

E, numa semana que deverá ser marcada por uma nota da Fitch para Portugal e por um leilão do IGCP, os juros portugueses mantêm-se acima dos 3%. Depois de na segunda-feira, 12 de Junho, a taxa de juro implícita na dívida a 10 anos ter voltado a recuar para mínimos de nove meses (abaixo dos 3%) esta sessão volta a ser de subidas, com a "yield" a avançar 2,5 pontos base para 3,009%, elevando o prémio de risco, face à dívida alemã, para 273,8 pontos base.

 

Esta quarta-feira, o IGCP volta ao mercado para tentar captar 1.250 milhões de euros, através de um duplo leilão, a cinco e a dez anos.

Esta ida ao mercado surge antes de a Fitch se pronunciar sobre o "rating" de Portugal. A agência de notação financeira poderá emitir uma nota de análise esta sexta-feira, 16 de Junho.

 

No mercado cambial, o euro sobe 0,16% para 1,1220 euros, numa altura em que se espera pelo anúncio de subida de juros nos EUA. A perspectiva é que a taxa de referência aumente em 25 pontos base, para entre 1% e 1,25%. 

 

Já a libra voltou aos ganhos, apreciando 0,2% para 1,2680 dólares, numa altura em que os investidores estão expectantes de que as negociações em Inglaterra terminem com um acordo que dê a Theresa May condições para governar com maioria parlamentar.

 

O petróleo está a subir, com ganhos inferiores a 0,5%, com os investidores a acreditarem que os EUA vão anunciar uma quebra nas reservas do país. Além disso, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vai hoje publicar o relatório de produção dos seus membros em Maio. Este é o primeiro relatório depois de ter sido acordada uma extensão dos cortes de produção até ao final do primeiro trimestre do próximo ano.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BCP SEMPRE A DESCER 13.06.2017

LIVRA JÁ NÃO Á PACHORRA como já alguém aqui disse o BCP é que tem PRICE TARGET DE 33 C~ENTIMOS e a a FALIDA e INSOLVENTE pharol é que está a 31 cÊNTIMOS e sempre a subir e o BCP a 20 e SEMPRRE A DESCER CHIÇA PENICO

POR MAIS QUE DIGAM BEM DO BCP 13.06.2017

PODE ATÉ ESTAR A LUCRAR MAIS DE 5 MIL MILHÕES PODE ATÉ TER UM PRICE TARGET DE 5 EUROS MAS A PHAROL VAI ESTAR SEMPRE À FRENTE DO BCP LIVRAAAAAAAAAAAAAA .... ETA ....
povo BURRO e ESTUPIDIFICADO

GLINTT 13.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 25%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

pub