Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas indefinidas e petróleo próximo de máximos

Abertura dos mercados: Bolsas indefinidas e petróleo próximo de máximos

As bolsas europeias estão divididas entre ganhos e perdas pouco acentuadas, antes de serem divulgados os dados do desemprego nos Estados Unidos.
Abertura dos mercados: Bolsas indefinidas e petróleo próximo de máximos
Rita Faria 03 de novembro de 2017 às 09:27

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,51% para 5.419,24 pontos

Stoxx 600 ganha 0,07% para 395,20 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos recuam 0,7 pontos para 2,091%

Euro desce 0,12% para 1,1644 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,23% para 60,76 dólares o barril

 

Bolsas europeias sem tendência definida

As bolsas europeias estão a negociar sem uma tendência definida esta sexta-feira, 3 de Novembro, com os principais índices divididos entre ganhos e perdas pouco acentuadas.

 

Os resultados da Apple, que superaram as estimativas, estão a contribuir para algum optimismo, ao mesmo tempo que o mercado "digere" o nome do próximo presidente da Fed, Jerome Powell, e a aguarda pela divulgação dos dados do desemprego nos Estados Unidos, para ter mais evidências sobre a saúde da economia norte-americana.  

 

Em Lisboa, o PSI-20 desce 0,51% para 5.419,24 pontos, penalizado sobretudo pelos CTT, que afundam 3,46% para 3,651 euros, depois de terem atingido um novo mínimo histórico de 3,63 euros.

 

Juros portugueses em queda antes da DBRS

Os juros da dívida portuguesa estão em queda ligeira, no dia em que a agência canadiana DBRS poderá pronunciar-se sobre o rating de Portugal. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos cai 0,7 pontos base para 2,091%.

 

Na Zona Euro, a tendência é semelhante, com os juros de Espanha a descerem 1,3 pontos para 1,470%, enquanto os da Alemanha recuam 1,5 pontos para 0,457%.

 

Dólar avança antes do desemprego

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está a negociar em alta ligeira, antes de serem conhecidos os dados do desemprego nos Estados Unidos.

 

As estimativas dos economistas consultados pela agência Bloomberg apontam para que a taxa de desemprego se tenha mantido inalterada nos 4,2%. Por outro lado, projecta-se que as contratações tenham aumentado em cerca de 300.000.

 

Ontem o presidente dos EUA Donald Trump anunciou que Jerome Powell vai ser o novo presidente da Reserva Federal. O nome já era esperado pelo mercado, pelo que não está a ter grande impacto na negociação da divisa dos EUA.

 

Petróleo sobe com expectativas de extensão dos cortes

O petróleo está a negociar em alta nos mercados internacionais - próximo de máximos de 2015 - depois de o ministro iraquiano Jabbar al-Luaibi ter apoiado a extensão dos cortes na produção por mais nove meses, juntando-se assim à Arábia Saudita e ao Kuwait, que já haviam sinalizado essa necessidade esta semana.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,42% para 54,77 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, soma 0,23% para 60,76 dólares.

 

Ouro à espera de dados dos EUA

O metal precioso segue em queda muito ligeira, com os investidores a aguardarem pelos dados do desemprego nos EUA e o seu possível impacto nas decisões que serão tomadas pela Reserva Federal na reunião de Dezembro. Nesta altura, a expectativa é que a Fed anuncie mais um aumento dos juros este ano, nessa última reunião de 2017.

 

O ouro desce 0,03% para 1.275,71 dólares, enquanto a prata recua 0,05% para 17,1054 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub