Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas, juros e dólar condicionados pelas eleições na Europa e reunião da Fed

Abertura dos mercados: Bolsas, juros e dólar condicionados pelas eleições na Europa e reunião da Fed

As bolsas estão pouco alteradas, o dólar cai e os juros aliviam, numa semana que será marcada pelo arranque das eleições na Europa e por reuniões dos bancos centrais dos EUA e do Reino Unido.
Abertura dos mercados: Bolsas, juros e dólar condicionados pelas eleições na Europa e reunião da Fed
Sara Antunes 13 de março de 2017 às 09:24

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,10% para 4.634,90 pontos

Stoxx 600 avança 0,12% para 373,68 pontos

Nikkei valorizou 0,15% para 19.633,75 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos recuam 4,6 pontos base para 4,009%

Euro cresce 0,01% para 1,0674 dólares

Petróleo sobe 0,10% para 51,42 dólares por barril

  

Bolsas pouco alteradas à espera das eleições e bancos centrais
O arranque da semana está a ser pouco animado entre os principais índices bolsistas na Europa. As bolsas registam variações muito ligeiras, com alguns índices a subirem e outros a caírem, numa semana que será marcada pelas reuniões dos bancos centrais do Reino Unido e dos EUA, sendo que neste último caso prevê-se um aumento da taxa de juro. As eleições na Holanda, as primeiras da Europa este ano, vão realizar-se esta quarta-feira, o que também está a deixar os investidores expectantes. 

 

Juros aliviam mas continuam acima dos 4%

A taxa de juro da dívida a 10 anos de Portugal está a descer quase cinco pontos base, mas a "yield" continua a negociar acima dos 4%. Ainda assim, o prémio de risco associado à dívida nacional diminui, já que a queda dos juros alemães está ser inferior. A bund a 10 anos está recuar 2,5 pontos para 0,482%, o que coloca o "spread" nos 355 pontos base.

 

Dólar cai à espera da Fed
A moeda americana está em queda, ainda que ligeira, contra as principais divisas mundiais, numa altura em que se aguarda pela confirmação de que a Reserva Federal (Fed) dos EUA vai mesmo subir o preço do dinheiro no país. Os investidores aguardam agora, pela confirmação, e por mais indicações sobre futuros aumentos. 
 

Petróleo alivia das quedas

O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a subir 0,10% para 51,42 dólares, num dia em que os preços desta matéria-prima estão a aliviar das quedas recentes provocadas, sobretudo, pelo aumento da produção dos EUA, o que tem aumentado a especulação de que os cortes de produção entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) estão a ser compensados pela produção dos EUA. 

 

Ouro sobe a beneficiar da queda do dólar

O ouro está a subir, a reflectir a queda da moeda dos EUA, uma vez que esta matéria-prima acaba por servir de refúgio e costuma oscilar em sentido contrário do dólar. A subida é de 0,35% para 1.208,82 dólares por onça. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2017

https://www.bancoctt.pt/sobre-o-banco-ctt/ser-cliente-banco-ctt.html

pub