Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas, juros e euro pouco alterados em dia de eleições na Catalunha

Abertura dos mercados: Bolsas, juros e euro pouco alterados em dia de eleições na Catalunha

As bolsas europeias estão no vermelho pelo terceiro dia, mas com variações muito ligeiras, à semelhança do que acontece com a moeda única e com os juros da dívida. Também o petróleo e o ouro estão pouco alterados.
Abertura dos mercados: Bolsas, juros e euro pouco alterados em dia de eleições na Catalunha
Reuters
Rita Faria 21 de dezembro de 2017 às 09:30

Os mercados em números

PSI-20 inalterado em 5.406,71 pontos

Stoxx 600 perde 0,29% para 387,25 pontos

Nikkei desvalorizou 0,11% para 22.866,10 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,1 pontos para 1,793%

Euro ganha 0,04% para 1,1876 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,06% para 64,60 dólares o barril

Bolsas europeias caem pela terceira sessão

As bolsas europeias estão a desvalorizar esta quinta-feira, 21 de Dezembro, pela terceira sessão consecutiva, devendo completar a maior descida em três dias em mais de um mês. Segundo a Bloomberg, as acções estão a corrigir dos ganhos recentes, com os investidores a verem poucos motivos para um optimismo renovado nesta semana que antecede o Natal.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perde 0,29% para 387,25 pontos.

Em Lisboa, o PSI-20 segue inalterado em 5.406,71 pontos, com a subida da Galp e da Corticeira Amorim a contrastar com a descida da Nos. A petrolífera soma 0,48% para 15,595 euros, a Corticeira Amorim valoriza 2,03% para 11,06 euros e a Nos desce 1,05% para 5,478 euros.

Juros de Espanha pouco alterados em dia de eleições na Catalunha

Os juros da dívida de Espanha estão pouco alterados, no dia em que a Catalunha, com a independência suspensa, vai a votos. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos sobe 0,1 pontos para 1,478%, acompanhando, de resto, a tendência da generalidade dos países do euro.

Em Portugal, depois do forte alívio do início da semana – na sequência da subida do rating por parte da Fitch – os juros sobem 0,1 pontos para 1,793%, mantendo-se abaixo dos de Itália, que recuam 0,7 pontos para 1,931%. Na Alemanha, a ‘yield’ agrava-se em 1,7 pontos para 0,423%.

Dólar sobe pela primeira vez em quatro sessões

O dólar está em alta ligeira face às principais congéneres mundiais, antes de ser conhecida a terceira leitura do PIB relativo ao terceiro trimestre.

Isto depois de a reforma fiscal dos Estados Unidos ter sido aprovada ontem no Senado e na Câmara dos Representantes, devendo ser promulgada pelo presidente dos Estados Unidos nos próximos dias.

A expectativa do mercado é que o alívio fiscal para as empresas impulsione os lucros no próximo ano, um optimismo que já estava descontado.

Petróleo em alta ligeira com descida das reservas

O petróleo está a negociar em alta ligeira nos mercados internacionais, depois de a Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos ter revelado que as reservas de crude desceram mais do que o esperado, para o nível mais baixo em dois anos.

Os inventários desceram em 6,5 milhões de barris na semana passada – mais do dobro do esperado pelos analistas consultados pela Bloomberg – para o nível mais baixo desde 2015, o que alivia as preocupações em torno do excedente global.  

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,09% para 58,14 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, sobe 0,6% para 64,60 dólares.

Ouro em baixa ligeira

O ouro segue em queda ligeira, apesar de já ter estado a negociar em máximos de duas semanas, numa altura em que também o dólar norte-americano negoceia com variações pouco acentuadas. O metal precioso desce 0,03% para 1.265,20 dólares, enquanto a prata cai 0,09% para 16,1749 dólares.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Caros, camaradas.
para o ano de 2018 o Caixabank, vai retirar o BPI da bolsa por valores a rondar perto dos 2.00€.
já se fala muito nos bastidores sobre isto.
sei de colegas meus que já estão a comprar BPI a estes valores para depois venderam ao Caixabank.

Bom Natal