Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas no vermelho e juros da dívida em mínimos de Outubro

Abertura dos mercados: Bolsas no vermelho e juros da dívida em mínimos de Outubro

As principais praças europeias negoceiam esta manhã em queda, numa altura em que os juros da dívida seguem a aliviar, com a "yield" das obrigações lusas a 10 anos em mínimos de Outubro. Petróleo continua em queda, e o euro e a libra perdem valor face ao dólar.
Abertura dos mercados: Bolsas no vermelho e juros da dívida em mínimos de Outubro
David Santiago 31 de maio de 2017 às 09:28

Os mercados em números

PSI-20 cede 0,2% para 5.278,48 pontos

Stoxx 600 perde 0,09% para 390,15 pontos

Nikkei desvalorizou 0,14% para 19.650,57 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos caem 0,5 pontos para 3,105%

Euro cai 0,04% para 1,1181 dólares

Petróleo em Londres desce 0,95% para 51,35 dólares o barril 

Bolsas europeias no vermelho pelo quinto dia

As bolsas europeias seguem esta quarta-feira, 31 de Maio, a transaccionar em terreno negativo, com o índice de referência europeu Stoxx 600 a perder 0,09% para 390,15 pontos, estando assim no vermelho pelo quinto dia consecutivo. A penalizar as bolsas europeias está principalmente o sector mineiro, pressionado pela quebra dos preços do ferro na China

 

Os investidores europeus estão atentos aos dados económicos relativos à Zona Euro que serão divulgados ao longo do dia de hoje, em especial os indicadores referentes à inflação na região (primeira estimativa para Maio) e também ao desemprego.

 

No plano nacional, o PSI-20 tem alternado entre ganhos e perdas durante este início de sessão, estando nesta altura a ceder 0,2% para 5.278,48 pontos, penalizado pelo Montepio cujas unidades de participação recuam 10,81% para 0,553%, a aliviar dos fortes ganhos registados ontem.


Juros pouco alterados na Europa

Tal como já aconteceu ontem, os juros da dívida portuguesa a 10 anos estão a negociar em mínimos de Outubro do ano passado, ao recuarem neste prazo 0,5 pontos para 3,105%.

 

A tendência é idêntica nos restantes periféricos da Zona Euro, com a "yield" associada às obrigações de dívida a 10 anos de Itália e Espanha a caírem 1,3 e 0,6 pontos base para 2,167% e 1,522%, respectivamente.

 

Euro e libra caem contra o dólar

Tanto o euro como a libra estão esta manhã a desvalorizar contra o dólar. A moeda única europeia cede 0,04% para 1,1181 dólares, enquanto a libra recua 0,48% para 1,2797 dólares, com a divisa britânica a aproximar-se de mínimos de finais de Abril relativamente ao dólar.

 

A penalizar a libra nesta quarta-feira está a mais recente sondagem do YouGov sobre as legislativas britânicas que foram antecipadas para o próximo dia 8 de Junho.

 

De acordo com o estudo de opinião hoje publicado no Times, o Partido Conservador da actual primeira-ministra, Teheresa May, poderá perder a maioria parlamentar alcançada de forma inesperada em 2015, o que a acontecer será um duro revés para a governante que apostou em novas eleições para reforçar o seu mandato antes de serem iniciadas negociações efectivas para o Brexit.  

Brent prossegue queda com WTI abaixo dos 50 dólares

O preço do petróleo continua em queda nos mercados internacionais, com o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, a transaccionar abaixo dos 50 dólares por barril. O WTI segue agora a desvalorizar 1,03% para 49,15 dólares por barril, enquanto em Londres o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, está a cair 0,95% para 51,35 dólares.

 

A pressionar o preço da matéria-prima está ainda a desconfiança em relação à capacidade do acordo da OPEP para o prolongamento do corte à produção petrolífera para estabilizar os preços.

 

Em paralelo e apesar de as estimativas citadas pela Bloomberg apontarem para a possibilidade de as reservas petrolíferas norte-americanas terem recuado pela oitava semana consecutiva, as empresas de exploração de xisto betuminoso têm continuado a aumentar os seus campos de produção.

 

Ouro cai pelo segundo dia

Depois de ontem ter atingido máximos do início do mês, numa sessão em que desvalorizou, o ouro segue hoje novamente em queda. O metal preciso cai 0,58% para 1.262,51 dólares por onça, com os investidores a avaliarem as declarações de um membro da Fed que defendeu que a quebra na taxa de inflação poderá levar o banco central americano a repensar a intenção de em Junho voltar a decretar um aumento dos juros. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
RATINGS NO LIXO Há 4 semanas

ENTÂO AINDA QUEREM QUE AS AGÊNCIAS FINANÇEIRAS NOS TIREM DO LIXO COMO È QUE ISSO É POSSIVEL SE NA NOSSA BOLSA SÓ A TRAMPA È QUE SOBE ( montepio ) ENQUANTO QUE AQUILO QUE É BOM DESCE ( MILENIUM BCP ) assim " JAMAIS " como dizia o OUTRO

pub