Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas, petróleo e euro em queda no arranque da semana

Abertura dos mercados: Bolsas, petróleo e euro em queda no arranque da semana

As bolsas europeias arrancaram a semana em queda, tal como o euro e o petróleo. Os receios em torno do Brexit continuam a penalizar a libra britânica e a impulsionar o ouro.
Abertura dos mercados: Bolsas, petróleo e euro em queda no arranque da semana
Reuters
Rita Faria 16 de janeiro de 2017 às 09:27

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,44% para 4.595,22 pontos

Stoxx 600 perde 0,73% para 363,28 pontos

Nikkei desvalorizou 1% para 19.095,24 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos caem 0,6 pontos para 3,900%

Euro recua 0,46% para 1,0595 dólares

Petróleo em Londres desce 0,14% para 55,37 dólares o barril

 

Bolsas europeias arrancam semana em queda

As bolsas europeias estão a negociar em queda esta segunda-feira, 16 de Janeiro, no arranque de uma semana que ficará marcada pela reunião mensal do Banco Central Europeu (BCE), que termina na quinta-feira, e pela tomada de posse do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perde 0,73% para 363,28 pontos, pressionado sobretudo pelas cotadas da banca e do sector automóvel.

 

Por cá, o PSI-20 desce 0,44% para 4.595,22 pontos, com o BCP e a Galp Energia a penalizar. O banco liderado por Nuno Amado, cujo aumento de capital arranca esta terça-feira, desce 1,84% para 85,3 cêntimos, enquanto a petrolífera portuguesa perde 1,35% para 14,255 euros.

 

Juros aliviam na Europa

Os juros da dívida pública portuguesa estão a registar descidas ligeiras nos prazos mais longos, acompanhando a tendência que se verifica na generalidade dos países do euro. A ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos cai 0,6 pontos para 3,900%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, o alívio é de 1,4 pontos para 1,417%. Já na Alemanha, os juros da dívida recuam 3,0 pontos base para 0,308%.

  

Libra cai mais de 1% com receios de Brexit "duro"

A libra está a descer 1,08% para 1,2050 dólares, depois de notícias na imprensa britânica que asseguram que o Governo vai anunciar, esta terça-feira, a opção do Reino Unido por uma desvinculação "dura" da União Europeia, no pós-referendo do Brexit.  Para o Reino Unido, isso significa o fim do acesso ao mercado único europeu e o abandono da união aduaneira nas áreas de controlo da imigração.

 

Petróleo em queda ligeira

O petróleo está a negociar em queda ligeira nos mercados internacionais, numa altura em que os produtores continuam a implementar a redução da oferta acordada no ano passado.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, recua 0,17% para 52,28 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, desce 0,14% para 55,37 dólares.

Segundo o ministro russo da Energia, as petrolíferas do país reduziram a produção em 150 mil barris por dia logo no início deste mês.

 

Ouro ganha brilho pela sexta sessão

 

O metal precioso está a negociar em alta pela sexta sessão consecutiva - a mais longa série de ganhos desde o início de Novembro – devido aos sinais de crescimento da procura por causa dos receios em torno do Brexit.

 

O ouro sobe 0,47% para 1.203,01 dólares, depois de já ter tocado nos 1.208,72 dólares, o valor mais alto desde 23 de Novembro. Já a prata valoriza 0,09% para 16,8382 dólares.

 

"A pausa nas subidas do dólar e das acções está a contribuir para este salto, que também está a ser impulsionado pelas crescentes preocupações políticas sobre o chamado Brexit ‘duro’", afirma Jordan Eliseo, economista-chefe da Australian Bullion Company, citado pela Bloomberg. 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
F 17.01.2017

o bcp não abandonou a democratização de ajustar o preço de suas acções, ajudando qualquer um a comprar e estar inserido na alta finança de investidores.

Araujo Ferreira Vado Aoba 16.01.2017

é complicado ainda me dão barra nas agençias báncarias

Anónimo 16.01.2017

Sonae sempre a brilhar...

pub
pub
pub
pub