Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas recuperam de sete sessões no vermelho

Abertura dos mercados: Bolsas recuperam de sete sessões no vermelho

Depois de sete sessões a fechar sempre em terreno negativo, no ciclo de quedas mais prolongado do ano, as acções europeias estão a recuperar, beneficiando com a tendência positiva que também se verificou na Ásia. O petróleo também recupera.
Abertura dos mercados: Bolsas recuperam de sete sessões no vermelho
Pedro Catarino/CM
Nuno Carregueiro 16 de novembro de 2017 às 09:13

Os mercados em números

PSI-20 ganha 0,85% para 5.304,84 pontos

Stoxx 600 valoriza 0,36% para 383,33 pontos

Nikkei subiu 1,47% 22.351,12 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal desce 1 ponto base para 1,99%

Euro desvaloriza 0,03% para 1,1787 dólares

Petróleo soma 0,31% para 62,06 dólares por barril, em Londres

 

Lisboa lidera ganhos na Europa

Apanhando a boleia das praças asiáticas e a recuperação dos preços do petróleo, as bolsas europeias arrancaram a sessão em terreno positivo, colocando para já um ponto final na série de sete sessões consecutivas a fechar em queda.

 

O Stoxx 600 está a valorizar 0,36% para 383,33 pontos, depois de em Tóquio o Nikkei ter valorizado 1,47%, colocando fim à série de quedas que tal como na Europa era a mais prolongada do ano. Nas restantes praças asiáticas o dia foi também de ganhos, com destaque para a chinesa, que reagiu de forma positiva ao facto de o banco central ter aumentado a liquidez no mercado.

 

O PSI-20 lidera os ganhos na Europa, estando o índice a ganhar 0,85% para 5.304,84 pontos, numa sessão em que a Sonae SGPS (+2,05% para 0,995 euros) está em destaque depois de ter anunciado lucros acima do esperado nos primeiros nove meses do ano.

 

Juros continuam abaixo de 2%

As obrigações soberanas da Zona Euro permanecem em alta ligeira, com os investidores à espera dos dados da inflação da Zona Euro de Outubro, que o Eurostat vai publicar hoje às 10:00. A "yield" das obrigações do Tesouro desce 1 ponto base para 1,99%, continuando assim abaixo da fasquia dos 2%. O "spread" face às bunds alemãs segue estável nos 161 pontos base.

 

Euro estável com inflação em destaque 

O euro segue estável face ao dólar, depois de ontem ter perdido terreno para a moeda norte-americana, que beneficiou ligeiramente com os dados económicos divulgados. Em Outubro, as vendas a retalho cresceram 0,2% enquanto a inflação se fixou em 2%. Excluindo os alimentos e a energia, o índice de preços no consumidor cresceu 1,8%, quando as estimativas apontavam para uma subida de 1,7%.

 

Estes dados económicos deixaram intactas as expectativas de subida de juros em Dezembro por parte da Reserva Federal, o que serviu para estancar o ciclo negativo do dólar, que vinha a ser pressionado por dados económicos fortes na Europa e mais fracos nos EUA. No mercado cambial os investidores vão também estar atentos à inflação da Zona Euro, pois poderá dar mais pistas sobre a política monetária do BCE.  

  

Petróleo recupera 

Depois de várias sessões a perder terreno, os preços do petróleo estão a recuperar, com o Brent em Londres a avançar 0,31% para 62,06 dólares. A matéria-prima foi nas últimas sessões penalizada pela revisão em baixa das previsões da procura global por parte da Agência Internacional de Energia (AIE) e pelos dados revelados pelo Instituto do Petróleo Americano, que apontam para uma subida nas reservas de crude nos Estados Unidos.

 

Ouro continua em queda

O metal precioso está a negociar em queda, penalizado pelos dados da inflação, que reforçam a expectativa de que a Fed vai voltar a subir os juros em Dezembro. Depois de já ontem ter negociado em terreno negativo, o ouro desce 0,04% para 1.277,61 dólares a onça.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub