Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas regressam às quedas ligeiras. Petróleo em mínimos de Dezembro

Abertura dos mercados: Bolsas regressam às quedas ligeiras. Petróleo em mínimos de Dezembro

O arranque da sessão estão a ser mais calmo do que nos últimos dias. As bolsas regressaram às quedas, mas são ligeiras, depois de ontem terem registado a maior subida em 10 meses. O petróleo está a cair para mínimos de Dezembro. Já a bitcoin sobe pelo terceiro dia, acumulando um ganho de 16% neste período.
Abertura dos mercados: Bolsas regressam às quedas ligeiras. Petróleo em mínimos de Dezembro
Sara Antunes 08 de fevereiro de 2018 às 09:13

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,66% para 5.404,99 pontos

Stoxx 600 recua 0,25% para 379,19 pontos

Nikkei valorizou 1,13% para 21.890,86 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 2,5 pontos base para 2,039%

Euro recua 0,19% para 1,2241 dólares

Petróleo cai 0,47% para 65,20 dólares por barril

 

Bolsas com quedas ligeiras. Acalmia regressou aos mercados?

As últimas sessões foram marcadas por descidas e subidas muito acentuadas das bolsas. O arranque da sessão desta quinta-feira está a apontar para um dia de negociação mais "normal", com os índices a registarem quedas pouco acentuadas.

 

O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, está a descer 0,25% para 379,19 pontos. Já ontem subiu quase 2%, naquela que foi a melhor sessão desde Abril do ano passado, a aliviar das fortes quedas registadas nos dias anteriores e que tiveram origem nos receios em torno de mais aumentos de juros nos EUA, depois de dados económicos sugerirem que a inflação do país poderá acelerar.

 

Na bolsa nacional o cenário é semelhante. Depois de ontem o PSI-20 ter subido mais de 2% - registando também a melhor sessão dos últimos 10 meses – segue hoje a recuar 0,66%, numa altura em que o BCP, a Galp e a Pharol estão a descer mais de 1%.

 

Juros voltam às subidas

As taxas de juro na Europa regressaram às subidas, depois de ontem o dia ter sido marcado por descidas, muito devido ao acordo alcançado na Alemanha que viabiliza a constituição de um governo.

 

A taxa de juro associada à dívida portuguesa a 10 anos está a subir 2,5 pontos base para 2,039%, enquanto a "yield" das obrigações alemãs está a avançar 0,1 ponto base para 0,745%, o que coloca o prémio de risco da dívida nacional nos 129 pontos.

 

Euro em mínimos de três semanas

A moeda única europeia segue em queda e negoceia no valor mais baixo das últimas três semanas. Ainda assim, desde o início do ano, o euro continua a subir mais de 2% frente ao dólar, numa altura em que se prevê que nos EUA haja mais subidas de juros este ano e que na Zona Euro o Banco Central Europeu (BCE) comece a retirar os estímulos à economia, mas sem qualquer subida do preço do dinheiro.

 

Petróleo em mínimos de Dezembro

Um novo indicador aponta para que a produção de crude dos campos americanos atingiu um novo recorde, o que está a pressionar os preços do petróleo. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a descer 0,47% para 65,20 dólares, o que corresponde ao valor mais baixo desde Dezembro.

 

Bitcoin sobe há três dias e acumula ganhos de 16%

A bitcoin continua a somar, depois de ter afundado. Esta quinta-feira é a terceira sessão consecutiva de ganhos, período em que acumula uma subida superior a 16%. As criptomoedas têm estado a ser pressionadas pelos alertas emitidos por vários especialistas sobre o facto de se tratar de uma bolha. Há quem diga mesmo que se trata de uma fraude. O último alerta foi deixado pelo presidente do Banco Mundial,  Jim Yong Kim, que defendeu que "as criptomoedas são um esquema ponzi".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar