Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas sem rumo e petróleo a caminho da primeira queda semanal em mais de um mês

Abertura dos mercados: Bolsas sem rumo e petróleo a caminho da primeira queda semanal em mais de um mês

As bolsas europeias estão divididas entre ganhos e perdas pouco acentuadas, numa altura em que o euro valoriza e o petróleo se encaminha para a primeira descida semanal desde o início de Outubro.
Abertura dos mercados: Bolsas sem rumo e petróleo a caminho da primeira queda semanal em mais de um mês
Bloomberg
Rita Faria 17 de novembro de 2017 às 09:19

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,10% para 5.266,70 pontos

Stoxx 600 ganha 0,08% para 385,23 pontos

Nikkei valorizou 0,20% para 22.396,80 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos recuam 0,1 pontos para 1,978%

Euro sobe 0,15% para 1,1788 dólares

Petróleo em Londres inalterado em 61,36 dólares

Bolsas europeias entre ganhos e perdas ligeiras

Os principais índices europeus estão divididos entre ganhos e perdas pouco acentuadas esta sexta-feira, 17 de Novembro, dia em que não há dados económicos relevantes na agenda dos investidores.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,08% para 385,23 pontos, com a descida do retalho e viagens a ser compensada pelos ganhos ligeiros na maioria dos restantes sectores.

Em Lisboa, o PSI-20 desce 0,10% para 5.266,70 pontos, penalizado pelo grupo EDP, Jerónimo Martins e BCP. O banco liderado por Nuno Amado cai 0,28% para 25,3 cêntimos enquanto a retalhista cede 0,57% para 15,70 euros.

Já a EDP Renováveis desvaloriza 0,49% para 6,90 euros e a EDP desce 0,47% para 2,946 euros. O Negócios noticia esta sexta-feira que a eléctrica levou a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) a tribunal, reclamando acesso ao estudo da ERSE sobre os contratos CMEC (Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual).

Juros portugueses recuam pela segunda sessão

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão a recuar pela segunda sessão consecutiva, acompanhando o alívio ligeiro que se estende à generalidade dos países do euro.

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos recua 0,1 pontos para 1,978%, depois de ter atingido, na terça-feira, o valor mais baixo desde Abril de 2015 em 1,932%.

Em Espanha, os juros caem 0,2 pontos para 1,539%, no dia em que termina o prazo para os partidos políticos catalães apresentarem as listas de candidatos às eleições de 21 de Dezembro na comunidade autónoma da Catalunha, agendadas depois da declaração unilateral de independência por parte daquele governo regional (Generalitat). 

Na Alemanha, onde serão retomadas hoje as negociações para a formação do próximo Governo os juros a dez anos sobem 0,2 pontos para 0,378%.

Dólar cai

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está em queda, numa altura em que os investidores avaliam os obstáculos à reforma fiscal nos Estados Unidos.

Apesar de a Câmara dos Representantes nos EUA ter aprovado ontem a proposta republicana de reforma fiscal, o plano enfrenta agora uma outra proposta paralela, em desenvolvimento no Senado, e onde os senadores republicanos têm levantado dúvidas quanto à sua execução.

Segundo a Bloomberg, os investidores estão a fechar posições, antes da semana da Acção de Graças nos Estados Unidos.

Petróleo com primeira queda semanal em mais de um mês
O petróleo deverá completar esta sexta-feira a primeira queda semanal desde o início de Outubro, penalizado pelas estimativas mais pessimistas da Agência Internacional de Energia para a procura e pela subida da produção norte-americana.

Ainda assim, o crude de Nova Iorque está em alta ligeira na sessão de hoje, animado pelas declarações do ministro da Energia da Arábia Saudita que disse que a OPEP e os seus aliados deverão anunciar um prolongamento dos cortes na produção depois da reunião agendada para o final deste mês.

Nesta altura, o WTI ganha 0,44% para 55,38 dólares enquanto o Brent está inalterado em 61,36 dólares.

Ouro contraria dólar americano

O metal precioso está a valorizar, contrariando a evolução do dólar norte-americano, que segue penalizado pela incerteza em torno da reforma fiscal nos Estados Unidos. O ouro ganha 0,28% para 1.282,10 dólares, enquanto a prata sobe 0,01% para 17,0911 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub