Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas sem tendência definida e euro em alta de olhos postos nas eleições em França

Abertura dos mercados: Bolsas sem tendência definida e euro em alta de olhos postos nas eleições em França

As bolsas europeias estão a negociar sem uma tendência definida, num dia em que dois temas captam a atenção dos investidores: aumento de capital do Deutsche Bank e as eleições em França.
Abertura dos mercados: Bolsas sem tendência definida e euro em alta de olhos postos nas eleições em França
Reuters
Ana Laranjeiro 21 de março de 2017 às 09:39

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,28% para 4.644,53 pontos

Stoxx 600 cresce 0,02% para 377,77 pontos

Nikkei desceu 0,34% para 19.455,88 pontos

"Yield 10 anos de Portugal recua 2,5 pontos base para 4,212%

Euro valoriza 0,53% para 1,0797 dólares

Petróleo 0,83% para 52,05 dólares por barril em Londres

 

Bolsas europeias sem tendência definida

As principais praças europeias estão a negociar sem uma tendência definida nesta terça-feira, 21 de Março, numa altura em que os ganhos do sector bancário e das empresas petrolíferas ofuscam a queda das companhias mineiras. Um dos temas que marca o dia nos mercados é o aumento de capital do Deutsche Bank. Os direitos de subscrição que dão acesso ao aumento de capital de 8.000 milhões de euros do banco alemão começam a negociar hoje e transaccionam até dia 4 de Abril. Depois da queda superior a 3% registada na sessão de ontem, os títulos do banco alemão aliviam e sobem 3,05% para 15,815 euros.

Outro tema em foco no mercado são as eleições francesas. Esta segunda-feira, realizou-se o primeiro debate televisivo entre os candidatos presidenciais. Uma sondagem, realizada pela Elabe, sobre este debate, indica que o candidato centrista, Emmanuel Macron, foi o mais convincente dos cinco candidatos, ficando assim à frente da candidata da extrema-direita Marine Le Pen. Os resultados desta sondagem podem estar a ajudar a aliviar os receios dos investidores em torno da política europeia, o que pode estar a impulsionar as bolsas europeias.

A liderar os ganhos no Velho Continente está a principal praça italiana, que ganha 0,98%, seguido pelo índice holandês, que avança 0,38%. Em sentido contrário, está o germânico DAX, que cede 0,03%, seguido pelo britânico Footsie, que desliza 0,04%. O Stoxx 600, índice de referência, soma 0,02%.

Juros em queda ligeira

Os juros da dívida pública portuguesa estão a negociar em queda ligeira esta terça-feira, a segunda sessão após a agência de notação financeira S&P ter mantido o "rating" a um nível de sair de "lixo" com perspectiva estável. A agência reconheceu que alguns passos para se resolverem os problemas no sector bancário foram dados mas disse que mais medidas nesse sentido seriam bem-vindas. A dez anos, as "yields" estão a recuar 2,5 pontos base para 4,212%.

Os juros da França registam também uma queda ligeira. Na maturidade a dez anos, os juros exigidos pelos investidores para trocarem dívida entre si recuam 0,2 pontos base para 1,119%.

No caso da Alemanha, não se verifica a mesma tendência, estando os juros a subir 2,3 pontos base para 0,463% a dez anos. 

Euro nos 1,08 dólares

A moeda da Zona Euro está subir face ao dólar após uma sondagem, divulgada após o final do primeiro debate televisivo entre os candidatos às eleições presidenciais francesas, indicar que o candidato centrista, Emmanuel Macron, foi o mais convincente dos cinco candidatos, ficando assim à frente da candidata da extrema-direita Marine Le Pen. Os resultados desta sondagem podem estar a ajudar a aliviar os receios dos investidores em torno da política europeia, o que pode estar a impulsionar as bolsas europeias e o euro. Por esta altura, o euro soma 0,53% para 1,0797 dólares. Contudo, na actual sessão, o euro avançou já 0,61% para 1,0804 dólares, o valor mais elevado desde 2 de Fevereiro.

Mercado avalia possibilidade de OPEP alargar acordo

Os preços do petróleo nos mercados internacionais estão a subir numa altura em que os investidores avaliam a possibilidade da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ampliarem o prazo do acordo alcançado em Novembro passado e que prevê uma redução da produção. O prazo do acordo termina em Junho deste ano. A possibilidade deste acordo ser estendido tem lugar numa altura em que há uma previsão que dá conta que as reservas norte-americanas de crude vão aumentar.

O West Texas Intermediate soma 0,79% para 48,60 dólares por barril. O Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, avança 0,83% para 52,05 dólares por barril.

Ouro em queda ligeira

A cotação do ouro está a cair ligeiramente, interrompendo assim um ciclo de quatro sessões de ganhos. Por esta altura, o ouro para entrega imediata cede 0,23% para 1.231,42 dólares por onça.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.03.2017

Mas quem disse que Macron ganhou o debate?

pub