Mercados num minuto Abertura dos mercados: Efeito BCE prolonga-se na subida das bolsas e queda do euro

Abertura dos mercados: Efeito BCE prolonga-se na subida das bolsas e queda do euro

As bolsas europeias estão a negociar em alta, e o euro em queda, depois das medidas anunciadas ontem pelo BCE. O dólar segue em máximos de Julho e o ouro no valor mais baixo em três semanas.
Abertura dos mercados: Efeito BCE prolonga-se na subida das bolsas e queda do euro
Bruno Simão
Rita Faria 27 de outubro de 2017 às 09:08

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,39% para 5.423,04 pontos

Stoxx 600 ganha 0,46% para 393,08 pontos

Nikkei valorizou 1,24% para 22.008,45 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,0 ponto para 2,248%

Euro recua 0,28% para 1,1618 dólares

Petróleo em Londres recua 0,08% para 59,25 dólares o barril

BCE continua a animar bolsas

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta sexta-feira, 27 de Outubro, continuando a beneficiar das decisões anunciadas ontem pelo Banco Central Europeu (BCE). Ainda que tenha reduzido para metade o valor do seu programa de compra de activos, a autoridade monetária prolongou-o até Setembro de 2018, e admitiu que poderá continuar as compras além desse prazo.

A manutenção das condições financeiras favoráveis está assim a animar as acções europeias, que já ontem registaram subidas expressivas.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx 600 ganha 0,46% para 393,08 pontos, numa altura em que apenas os sectores da mineração e construção seguem com sinal vermelho.

Em Lisboa, o PSI-20 sobe 0,39% para 5.423,04 pontos, animado sobretudo pela EDP, que soma 0,93% para 3,035 euros.

Juros em alta ligeira

Os juros da dívida da generalidade dos países do euro estão a registar subidas ligeiras, depois dos recuos verificados na sessão de ontem. A ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos sobe 1,0 ponto para 2,248%, apesar de já ter igualado, esta manhã, o mínimo de Dezembro de 2015 atingido ontem (2,237%).

Em Espanha, os juros avançam 1,8 pontos para 1,556% e na Alemanha sobem 2,1 pontos para 0,436%.

Dólar em máximos de Julho

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais está a valorizar pela segunda sessão consecutiva, para negociar no valor mais alto desde Julho. A moeda norte-americana está a beneficiar da expectativa que a reforma fiscal nos Estados Unidos vai avançar rapidamente e que a Reserva Federal terá um novo presidente mais favorável a uma subida mais acelerada dos juros no país.

Já o euro está a cair 0,28% para 1,1618 dólares, penalizado pela decisão do BCE de prolongar as compras de activos. A moeda única deverá completar esta sexta-feira a maior desvalorização semanal desde Março.

Petróleo em baixa ligeira

O petróleo está a negociar em queda ligeira nos mercados internacionais, negociando, ainda assim, próximo de máximos de dois anos, em Londres. Ontem, os preços do crude estiveram a beneficiar do apoio do príncipe saudita à extensão dos cortes na produção promovidos pela OPEP e mais 11 produtores.

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 0,13% para 52,57 dólares enquanto o Brent, transaccionado em Londres, recua 0,08% para 59,25 dólares.  

Ouro em mínimos de três semanas

O metal precioso está a negociar no valor mais baixo das últimas três semanas, contrariando a evolução do dólar norte-americano, depois da Câmara dos Representantes ter aprovado uma resolução que poderá acelerar a implementação da reforma fiscal nos Estados Unidos.

O ouro desce 0,9% para 1.265,89 dólares enquanto a prata desce 0,44% para 16,7183 dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub