Mercados num minuto Abertura dos mercados: Euro alivia de máximos e bolsas sobem antes da reunião do BCE

Abertura dos mercados: Euro alivia de máximos e bolsas sobem antes da reunião do BCE

As bolsas europeias estão a negociar em alta ligeira em mais um dia de apresentação de resultados, com os investidores já de olhos postos na reunião mensal do BCE, que termina esta quinta-feira.
Abertura dos mercados: Euro alivia de máximos e bolsas sobem antes da reunião do BCE
Reuters
Rita Faria 19 de julho de 2017 às 09:06

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,12% para 5.314,55 pontos

Stoxx 600 ganha 0,24% para 383,50 pontos

Nikkei valorizou 0,10% para 20.020,86 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,8 pontos para 3,072%

Euro recua 0,18% para 1,1533 dólares

Petróleo em Londres desce 0,04% para 48,82 dólares o barril

 

Bolsas europeias em alta ligeira

A maioria dos índices europeus segue em alta ligeira esta quarta-feira, 19 de Julho, recuperando parte das perdas registadas na sessão de ontem. O dia será mais uma vez marcado pela apresentação de resultados das empresas relativos ao segundo trimestre do ano, na véspera da reunião mensal do Banco Central Europeu (BCE).

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,24% para 383,50 pontos, depois de a forte subida do euro, na sessão de ontem, ter penalizado as empresas exportadoras.

 

Na bolsa nacional, o PSI-20 sobe 0,12% para 5.314,55 pontos animado sobretudo pelo BCP e pela Galp Energia. O banco liderado por Nuno Amado avança 0,56% para 25,24 cêntimos enquanto a petrolífera sobe 0,37% para 13,61 euros.

 

Juros pouco alterados antes do BCE

Os juros da dívida estão pouco alterados na generalidade dos países do euro, numa altura em que o mercado aguarda pela reunião mensal do BCE para perceber se a autoridade monetária vai começar a retirar os estímulos à economia.

 

Em Portugal, os juros da dívida a dez anos sobem 0,8 pontos para 3,072%, no dia em que o Estado português vai realizar um duplo leilão de dívida de curto prazo, com o qual se pretende financiar num valor entre 1.500 e 1.750 milhões de euros.

 

Em Espanha, no mesmo prazo, os juros descem 0,7 pontos para 1,548%, e na Alemanha sobem 0,2 pontos para 0,557%.

 

Euro alivia de máximos de mais de um ano

A moeda única europeia está a negociar em queda ligeira face ao dólar depois de ter atingido ontem o valor mais alto dos últimos 14 meses. A evolução explica-se essencialmente pela fraqueza da divisa norte-americana, que esteve a reflectir os receios sobre a capacidade de Trump de implementar a sua agenda, depois de não ter conseguido fazer aprovar a revogação e substituição do Obamacare.

 

Nesta altura, o euro desce 0,18% para 1,1533 dólares.

 

Petróleo à espera dos dados das reservas

O petróleo está pouco alterado nos mercados internacionais, antes de serem conhecidos os dados sobre as reservas de crude norte-americanas, que serão divulgados esta tarde pela Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos.

 

Em Londres, o barril de Brent desce 0,04% para 48,82 dólares, enquanto em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) cai 0,09% para 46,36 dólares.

 

De acordo com as estimativas recolhidas pela Bloomberg, os inventários terão descido em 3,5 milhões de barris na semana passada, o que representa a 13.ª queda em 15 semanas.  

 

Ouro cai pela primeira vez em quatro sessões

O metal precioso está a negociar em terreno negativo, depois de três sessões consecutivas de ganhos, em que esteve a contrariar a descida do dólar norte-americano. O fracasso da reforma da saúde nos Estados Unidos e os dados decepcionantes sobre a economia norte-americana levaram os traders a reduzirem as expectativas em relação a uma nova subida dos juros até ao final do ano.

 

O ouro desce 0,17% para 1.240,35 dólares por onça, enquanto a prata cai 0,25% para 16,2475 dólares. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Estado vai vender a sua participação na Inapa através da CGD vai subir bem !!!

pub