Mercados num minuto Abertura dos mercados: Europa cai pela segunda sessão. Petróleo e ouro ganham terreno

Abertura dos mercados: Europa cai pela segunda sessão. Petróleo e ouro ganham terreno

As bolsas europeias estão a negociar em queda pelo segundo dia, em mais uma sessão que deverá ser de baixa liquidez. O dólar segue quase inalterado, depois do "ok" do Senado à reforma fiscal, enquanto o petróleo e o ouro valorizam.
Abertura dos mercados: Europa cai pela segunda sessão. Petróleo e ouro ganham terreno
Reuters
Rita Faria 20 de dezembro de 2017 às 09:12

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,12% para 5.424,52 pontos

Stoxx 600 perde 0,16% para 390,39 pontos

Nikkei valorizou 0,10% para 22.891,72 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 1,9 pontos para 1,810%,

Euro ganha 0,08% para 1,1849 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,14% para 63,89 dólares o barril

 

Bolsas europeias caem pela segunda sessão

As bolsas europeias estão em queda ligeira esta quarta-feira, 20 de Dezembro, pela segunda sessão consecutiva, numa altura em que há pouca liquidez no mercado, devido à ausência de muitos investidores, uma situação típica na semana que antecede o Natal.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perde 0,16% para 390,39 pontos, penalizado sobretudo pelas empresas do sector da saúde e alimentação.

 

Em Lisboa, o PSI-20 desce 0,12% para 5.424,52 pontos, arrastado pelo grupo EDP. A casa-mãe desliza 0,75% para 2,903 euros enquanto a EDP Renováveis desvaloriza 1,41% para 6,736 euros.

 

Do lado dos ganhos, destacam-se a Pharol e os CTT. As acções dos Correios disparam 6,61% para 3,725 euros, reagindo ao plano de reestruturação apresentado ontem, enquanto a antiga PT SGPS ganha 6,23% para 29 cêntimos, depois de os credores da Oi terem aprovado o plano de recuperação judicial da operadora brasileira.

 

Juros portugueses em queda mantêm-se abaixo dos de Itália

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão em queda, depois da subida registada na sessão de ontem, que corrigiu parte do forte alívio de segunda-feira, na sequência da melhoria do rating em dois níveis por parte da Fitch.

 

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos cai 1,9 pontos para 1,810%, mantendo-se assim abaixo do juro cobrado a Itália, no mesmo prazo, que recua, nesta altura, 1,1 pontos para 1,897%.

 

Em Espanha, os juros aliviam 1,4 pontos e na Alemanha contrariam a tendência com uma subida ligeira de 0,3 pontos para 0,382%.

 

Dólar pouco alterado com "ok" à reforma fiscal

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres mundiais segue pouco alterado, depois de o Senado ter aprovado a mais profunda reforma fiscal da história dos Estados Unidos das últimas décadas.

Ainda que a legislação vá voltar novamente para o "ok" da Câmara dos Representantes, a votação no Senado era vista como menos certa.  

 

Crude em Nova Iorque acima dos 60 dólares

O petróleo está a negociar em alta nos mercados internacionais, a beneficiar dos dados da indústria revelados pelo Instituto do Petróleo Americano, que mostram que os inventários caíram em 5,2 milhões de baris na semana passada.

 

Os dados da Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos que serão conhecidos esta quarta-feira – deverão apontar para uma queda das reservas de crude de 3,15 milhões de barris, segundo a Bloomberg.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,33% para 57,75 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, valoriza 0,14% para 63,89 dólares.

 

Ouro próximo de máximos de duas semanas

O ouro está em alta ligeira, numa altura em que o dólar segue pouco alterado, depois da aprovação no Senado da reforma fiscal dos Estados Unidos.

 

O metal amarelo soma 0,22% para 1.264,42 dólares, aproximando-se de máximos de duas semanas, enquanto a prata sobe 0,09% para 16,1489 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub