Mercados num minuto Abertura dos mercados: Europa cai pela terceira sessão. Juros descem antes da Fitch

Abertura dos mercados: Europa cai pela terceira sessão. Juros descem antes da Fitch

As bolsas europeias estão a negociar em queda pela terceira sessão consecutiva, enquanto os juros de Portugal aliviam antes de a Fitch se pronunciar sobre o rating. Petróleo e ouro seguem no verde.
Abertura dos mercados: Europa cai pela terceira sessão. Juros descem antes da Fitch
Reuters
Rita Faria 15 de dezembro de 2017 às 09:19

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,27% para 5.341,54 pontos

Stoxx 600 perde 0,31% para 387,70 pontos

Nikkei desvalorizou 0,62% para 22.553,22 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 1,5 pontos base para 1,810%

Euro sobe 0,05% para 1,1783 dólares

Petróleo em Londres ganha 0,32% para 63,51 dólares o barril

 

Bolsas europeias em queda pela terceira sessão

As bolsas europeias estão a negociar em queda esta sexta-feira, 15 de Dezembro, pela terceira sessão consecutiva, depois de o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, se ter mostrado cauteloso com as perspectivas para a inflação, ainda que tenha melhorado as estimativas de crescimento para a Zona Euro.

 

Na última reunião de 2017, que decorreu na quinta-feira, o BCE não fez alterações aos juros nem ao programa de compra de activos, que já havia sido prolongado até Setembro.

 

Nesta altura, o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, desliza 0,31% para 387,70 pontos, penalizado sobretudo pelo retalho.

 

Em Lisboa, a Pharol é novamente a cotada que mais penaliza o PSI-20, com uma descida de 8,14% para 23,7 cêntimos, o valor mais baixo desde Maio. Continua, assim, a reacção negativa à nova versão do plano de recuperação judicial da Oi que, se for aprovado, traduzir-se-á na diluição da posição da Pharol na operadora brasileira.  

 

Juros em queda antes da Fitch

Os juros da dívida portuguesa estão a descer em todas as maturidades, antes de a agência Fitch se pronunciar sobre Portugal. Os analistas acreditam que a Fitch vai subir o rating, retirando a dívida pública da categoria de investimento especulativo, depois de a S&P o ter feito há três meses.

 

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos 1,5 pontos base para 1,810%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, a queda é de 1,7 pontos para 1,430%. Na Alemanha, o alívio é de 2,3 pontos para 0,293%.

 

Dólar com primeira queda semanal do mês

O índice que mede a evolução do dólar face às principais congéneres europeias está em alta ligeira, devendo, contudo, completar esta sexta-feira a primeira queda semanal deste mês, devido à incerteza em torno da reforma fiscal norte-americana.

 

Já o euro sobe 0,05% para 1,1783 dólares, depois de o BCE ter mantido os juros e o programa de compra de activos inalterados.

 

Brent na casa dos 63 dólares

O petróleo está a negociar em alta, devendo terminar a semana pouco alterado, numa altura em que o optimismo em torno do prolongamento dos cortes da OPEP está a ser temperado pelas perspectivas de aumento da produção por parte de países não pertencentes ao cartel, como é o caso dos Estados Unidos.

 

Nesta altura, o Brent, transaccionado em Londres, sobe 0,32% para 63,51 dólares, enquanto o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,58% para 57,37 dólares.

 

Ouro animado com projecções da Fed

O metal precioso está a negociar em alta, devendo completar hoje a primeira semana de ganhos, depois de três consecutivas de perdas. O ouro contraria a evolução do dólar norte-americano e segue animado pelo facto de a Fed ter mantido as suas projecções de três subidas dos juros no próximo ano, não antecipando uma aceleração na normalização da política monetária.


O ouro ganha 0,27% para 1.256,39 dólares, enquanto a prata sobe 0,39% para 15,9531 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub