Mercados num minuto Abertura dos mercados: Europa com maior série de ganhos desde Outubro. Petróleo em alta

Abertura dos mercados: Europa com maior série de ganhos desde Outubro. Petróleo em alta

As bolsas europeias estão a renovar máximos de Agosto de 2015, na quinta sessão consecutiva de ganhos. O petróleo está próximo de um pico de mais de dois anos e meio e o euro perde terreno face ao dólar.
Abertura dos mercados: Europa com maior série de ganhos desde Outubro. Petróleo em alta
Bloomberg
Rita Faria 09 de janeiro de 2018 às 09:15

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,71% para 5.685,39 pontos

Stoxx 600 ganha 0,16% para 399,06 pontos

Nikkei valorizou 0,57% para 23.849,99 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,1 pontos para 1,878%

Euro recua 0,18% para 1,1945 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,49% para 68,11 dólares o barril

 

Bolsas europeias renovam máximos de 2015

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta terça-feira, 9 de Janeiro, pela quinta sessão consecutiva, a mais longa série de valorizações desde o final de Outubro do ano passado.

 

Os índices bolsistas continuam, assim, no verde, depois de terem registado o melhor início de ano desde 2013, animados pelas perspectivas optimistas para a economia europeia em 2018. Esta terça-feira serão conhecidos os números do desemprego na Zona Euro, em Novembro, sendo que os economistas apontam para uma queda para 8,7% face aos 8,8% do mês anterior. 

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,16% para 399,06 pontos, um novo máximo de Agosto de 2015.

 

Em Lisboa, o PSI-20 também segue em máximos de mais de dois anos e meio, com uma subida de 0,71% para 5.685,39 pontos. A animar está sobretudo o BCP, que valoriza 1,56% para 30,55 cêntimos.

 

Juros portugueses sobem após forte descida

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão a subir ligeiramente, corrigindo da forte descida registada na sessão de ontem, dia em que foi conhecido o programa de financiamento do Estado para 2018

 

Uma das primeiras conclusões do programa é a diminuição das necessidades de financiamento do Estado. Este ano deverão ascender a 10,9 mil milhões de euros. Já em 2017, foram de 12,4 mil milhões.

 

Nesta altura, a yield associada às obrigações portuguesas a dez anos sobe 1,1 pontos para 1,878%, mantendo-se assim abaixo da de Itália, que avança 0,6 pontos para 1,990%. Em Espanha, os juros agravam-se em 0,3 pontos para 1,485% e na Alemanha em 0,5 pontos para 0,436%.

 

Euro cai pela terceira sessão

A moeda única europeia está a cair face ao dólar pela terceira sessão consecutiva, para negociar no valor mais alto desde 29 de Dezembro. O euro está a corrigir dos fortes ganhos que o levaram para máximos de Setembro no final do ano passado, enquanto o dólar ganha terreno depois de ter sido pressionado pelas dúvidas em relação à robustez da economia norte-americana e à viabilidade das metas traçadas pela administração Trump.

 

O euro recua 0,18% para 1,1945 dólares.

 

Petróleo em alta com expectativa de descidas das reservas

O petróleo segue em alta nos mercados internacionais, a negociar muito próximo do valor mais elevado desde Maio de 2015, devido à expectativa que as reservas de crude dos Estados Unidos tenham diminuído pela oitava semana consecutiva. Os dados da Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos serão conhecidos na quarta-feira.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,66% para 62,14 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, sobe 0,49% para 68,11 dólares.   

 

Ouro perde terreno

O ouro está a negociar com sinal vermelho, numa altura em que os investidores estão a privilegiar os activos mais arriscados, como é o caso das acções, em detrimento de activos considerados de refúgio, como o ouro.

 

Assim, o metal amarelo desce 0,23% para 1.317,31 dólares, enquanto a prata cai 0,23% para 17,0942 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar