Mercados num minuto Abertura dos mercados: Forte correcção na Ásia contagia bolsas europeias  

Abertura dos mercados: Forte correcção na Ásia contagia bolsas europeias  

O dia foi de fortes quedas nas bolsas asiáticas, com os investidores a aproveitarem este final de ano para realizarem mais-valias. Os juros de Portugal estão perto de mínimos de 2015.
Abertura dos mercados: Forte correcção na Ásia contagia bolsas europeias  
Bloomberg
Nuno Carregueiro 06 de dezembro de 2017 às 09:32

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,64% para 5.360,99 pontos

Stoxx 600 cede 0,78% para 383,72 pontos
Nikkei caiu 1,97% para 22.177,04 pontos
"Yield" a 10 anos de Portugal desce 1,1 pontos base para 1,874%
Euro desce 0,03% para 1,1822 dólares
Petróleo cede 0,17% para 62,75 dólares

 

Acções asiáticas com maior ciclo de quedas desde 2015 

As bolsas europeias estão em queda, seguindo o desempenho negativo das praças asiáticas e de ontem em Wall Street, com os índices a serem penalizados pelas desvalorizações das cotadas com melhor desempenho em 2017.

 

Na sessão asiática o dia foi de quedas acentuadas, com os investidores a aproveitarem este final de ano para realizarem mais-valias depois dos índices terem tocado em recordes no mês passado. O MSCI Asia Pacific está a desvalorizar pela oitava sessão, o que corresponde ao ciclo de quedas mais prolongado desde 2015, tendo tocado em mínimos de dois meses. Em Tóquio o Nikkei caiu 1,97% para 22.177,04 pontos e em Hong Kong o Hang Seng desceu 2,14%, o que corresponde à maior queda diária do ano.

 

Os investidores estão a "concretizar lucros mais cedo do que é habitual no final do ano e não estão a abrir novas posições", afirmou à Bloomberg Andrew Clarke, director de trading da Mirabaud Asia.

 

Os investidores estão a realizar mais-valias sobretudo nas cotadas com o melhor desempenho este ano, como é o caso das tecnológicas. A Tecent, que controla a gigante Alibaba, fechou a cair mais de 3% e atingiu mínimos no último mês.

 

Na Europa também é o sector tecnológico que conduz o Stox600 a uma queda de 0,78% para 383,72 pontos. Em Lisboa o PSI-20 desce 0,64% para 5.360,99 pontos, penalizado pelo BCP e pela Sonae, que ontem tocaram em máximos de mais de um ano.

 

Juros perto de mínimos

No mercado de obrigações soberanas da Zona Euro mantém-se a tendência positiva, com os juros da dívida portuguesa a 10 anos em queda ligeira, aproximando-se dos mínimos de dois anos que foram fixados na semana passada. A "yield" das obrigações do Tesouro a 10 anos cede 1,1 pontos base para 1,874%, muito perto do mínimo de 2015 fixado na sexta-feira nos 1,859%. O "spread" face às bunds alemãs desce para 156 pontos base.

 

Libra continua pressionada

No mercado cambial a libra permanece pressionada pela falta de acordo entre Londres e Bruxelas no Brexit, sendo que Theresa May deverá regressar à capital belga ainda esta semana. A libra cede 0,3% para 1,3398 dólares. Quanto ao euro, segue em queda ligeira face à moeda norte-americana (-0,03% para 1,1822 dólares).

 

Subida das reservas penaliza petróleo

O petróleo está a negociar em terreno negative, penalizado pelo relatório do American Petroleum Institute, que dá conta de uma subida acima do esperado nas reservas de gasolina nos Estados Unidos. O WTI em Nova Iorque desce 0,31% para 57,44 dólares e o Brent em Londres recua 0,17% para 62,75 dólares.  

 

Bitcoin acima dos 12 mil dólares 

A Bitcoin continua imparável, tendo esta quarta-feira fixado um novo recorde acima dos 12 mil dólares. A criptomoeda beneficia com o arranque em breve da negociação de futuros sobre a bitcoin e este ano já acumula um ganho acima de 1.100%.