Mercados num minuto Abertura dos mercados: Juros abaixo dos 3%. Bolsas e euro em alta

Abertura dos mercados: Juros abaixo dos 3%. Bolsas e euro em alta

As principais praças europeias estão a negociar em terreno positivo num dia em as praças norte-americanas voltam a negociar e que os investidores aguardam pela divulgação das minutas da Fed. Petróleo e euro a subir.
Abertura dos mercados: Juros abaixo dos 3%. Bolsas e euro em alta
Bloomberg
Ana Laranjeiro 05 de julho de 2017 às 09:30

Os mercados em números

PSI-20 ganha 0,28% para 5.195,51 pontos

Stoxx 600 avança 0,09% para 382,65 pontos

Nikkei valorizou 0,25% para 20.081,63 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 2,7 pontos para 2,995%

Euro aprecia 0,09% para 1,1356 dólares

Petróleo em Londres cresce 0,10% para 49,66 dólares o barril


Bolsas europeias no verde

As principais praças bolsistas do Velho Continente estão em alta, num dia em que os investidores aguardam que a Reserva Federal norte-americana divulgue as actas relativas à reunião de política monetária que decorreu nos dias 13 e 14 de Junho. Além disso, o dia vai ser marcado pela divulgação de novos indicadores económicos, como é o caso das vendas a retalho na Zona Euro.

A liderar os ganhos na Europa está o principal índice grego, que valoriza 0,31%, seguido de muito perto britânico Footsie, que ganha 0,29%.

Em Lisboa, o PSI-20 ganha 0,28%, a beneficiar dos fortes ganhos do Montepio. A acção dispara 92,35% para 95,6 cêntimos,  depois de a associação mutualista ter anunciado o lançamento de uma oferta pública de aquisição sobre os títulos que ainda não controla. A operação está avaliada em mais de 100 milhões de euros, já que a oferente paga um euro por cada título. A informação consta do anúncio preliminar da OPA, enviado esta terça-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Juros em alta

Depois de ontem os juros da dívida pública portuguesa ter negociado abaixo da fasquia dos 3% no mercado secundário, nesta quarta-feira as "yields" estão a subir ligeiramente mas continuam abaixo desse patamar. Por isso, os juros a dez anos, exigidos pelos investidores para trocarem dívida entre si, sobem 2,7 pontos base para 2,995%.

Esta terça-feira, agência de notação financeira Fitch divulgou uma nota a investidores onde fala sobre uma eventual retirada do país de um nível considerado especulativo, depois de ter melhorado o "outlook" para a dívida nacional para "positivo" no mês passado.

Segundo a Fitch, Portugal poderá aspirar deixar de ser rotulado de "lixo" nos mercados financeiros caso a dívida pública entre numa rota consistente de redução e não se repitam, na banca, situações que exijam a injecção de mais dinheiro dos contribuintes.

Os juros da dívida da Alemanha a dez anos estão a subir 1,3 pontos base para 0,488%.

Euro acima dos 1,13 dólares

A moeda da Zona Euro está a subir face ao dólar, travando assim as quedas recentes. Por esta altura, a moeda ganha 0,09% para 1,1356 dólares.

No mercado cambial, nota ainda para o iene que tem estado a registar ganhos, uma evolução que ocorre depois de a Coreia do Norte ter lançado, esta terça-feira, um míssil intercontinental, uma etapa crucial para a realização do objectivo de poder ameaçar os Estados Unidos com armas nucleares. Este teste do regime norte-coreano está a levar os investidores a procurarem activos considerados de refúgio.


Rússia contra redução mais profunda da produção de petróleo

Está em vigor um acordo entre a OPEP e vários aliados, incluindo a Rússia, para reduzir a produção de petróleo. O objectivo é travar o excedente de petróleo que existe no mercado. Agora, e de acordo com a Bloomberg que cita fontes governamentais, Moscovo está contra um aprofundamento destes cortes. Assim, a Rússia quer continuar com o acordo actual mas acredita que cortes mais acentuados na produção iriam enviar uma mensagem errada para o mercado.


Esta oposição russa está a marca a negociação do petróleo nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, ganha 0,10% para 49,66 dólares por barril. O West Texas Intermediate desvaloriza 0,06% para 47,04 dólares por barril.

Ouro pouco alterado
A cotação do ouro está pouco alterada, num altura em que o lançamento de um míssil intercontinental por parte da Coreia do Norte, poderá vir a levar os investidores a procurarem activos de refúgio. O metal precioso cede 0,05% para 1.222,83 dólares por onça.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
se um banco FALIDO vale 1 EURO 05.07.2017

QUANTO Não VALE O MILENIUM BCP + O MILENIUM POLACO se um pedaço de TRUMP vale 1 EURO UM DIAMANTE EM BRUTO VALE 3 EUROS

então mas a OPA não foi ao BCP 05.07.2017

ENTÃO o MONTEPIO não era aquele BANCO que estava falido então e foram ópalo a 1 EURO NESTE PAIS é TUDO MALUCO o outro que está a ABARROTAR de lucros e que tem 51 % do MILENIUM POLACO também cheio de lucros continua a vinte cêntimos MISTÉRIO

pub