Mercados num minuto Abertura dos mercados: Juros da Alemanha em máximos de mais de dois anos

Abertura dos mercados: Juros da Alemanha em máximos de mais de dois anos

Os juros da dívida pública da Alemanha alcançaram esta manhã o valor mais elevado em mais de dois anos. Os juros nacionais registam uma subida ligeira a dez anos depois dos comentários do governador do banco da Holanda.
Abertura dos mercados: Juros da Alemanha em máximos de mais de dois anos
Bloomberg

Os mercados em números

PSI-20 cede 0,11% para 5.762,06 pontos

Stoxx 600 aprecia 0,01% para 400,60 pontos

Nikkei caiu 0,01% para 23.629,34 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1 ponto base para 1,95%

Euro desce 0,17% para 1,2406 dólares

Petróleo em Londres recua 0,18% para 70,39 dólares

Bolsas europeias sem rumo

As principais praças europeias estão a negociar sem uma tendência definida numa altura em que os investidores estão a digerir nomeadamente os resultados da suíça AMS. A cotada é fornecedora da Apple e foi a empresa que mais subiu no ano passado e anunciou esta manhã que as suas receitas duplicaram no ano passado, para o valor recorde de 1,06 mil milhões de euros, de acordo com a Reuters. As acções da empresa disparam 21,62% para 93,14 francos suíços.

Nota também para a Sanofi que pretende adquirir a biotecnológica belga Ablynx por, aproximadamente, 3,9 mil milhões de euros. A farmacêutica francesa regista uma valorização ligeira de 0,04% para 73,51 euros.

Entre as principais praças europeias, o britânico Fotsie e o italiano FTSE MIB lideram os ganhos ao subirem 0,15%. Frankfurt e Paris estão também do lado dos ganhos mas como valorizações inferiores. Por outro lado, Atenas e Madrid são as bolsas que mais descem, ao recuarem 0,30%. Em Lisboa, o PSI-20 perde 0,11%, penalizado nomeadamente pelas cotadas do sector energético, Nos e pela Jerónimo Martins. A impedir uma descida mais acentuada estão as acções do BCP, Corticeira Amorim e Navigator.

Juros da Alemanha a cinco anos em terreno positivo

A marcar o mercado de dívida soberana na Europa continua a estar a alta dos juros da Alemanha, devido às perspectivas de retirada de estímulos por parte do Banco Central Europeu. A "yield" das bunds a cinco anos aumentam 4 pontos base para 0,02%, situando-se em terreno positivo pela primeira vez em mais de dois anos.

A tendência é de agravamento em toda a dívida europeia, depois de Klaas Knot, governador do banco central da Holanda, ter defendido que o programa de compra de activos do BCE tem de terminar "o mais rápido possível". O actual está em vigor até Setembro e as declarações de Knot indiciam que poderá não ser renovado além desta data. A "yield" das obrigações do Tesouro a 10 anos agrava-se 1 ponto base para 1,95%, sendo que o spread face às bunds alemãs com a mesma maturidade está a estreitar-se para 130 pontos base.

Euro em queda

A moeda da Zona Euro está em queda face ao dólar, aliviando dos fortes ganhos recentes. O euro desce 0,17% para 1,2406 dólares. De salientar que a moeda norte-americana está a ganhar terreno face às dez principais pares, depois dos comentários do governador do banco central do Japão. Segundo os esclarecimentos do Banco do Japão, o governador Kuroda quando, em Davos, disse que os preços no consumidor estavam finalmente a aproximar-se da meta dos 2%, não estava a perspectivar uma revisão para a inflação.

WTI aproxima-se do Brent

As cotações do petróleo seguem tendências opostas em Nova Iorque e em Londres, com o WTI a aproximar-se do Brent, estando actualmente a diferença no nível mais reduzido em cinco meses. Na bolsa de Nova Iorque o WTI soma 0,12% para 66,22 dólares, enquanto em Londres o Brent recua 0,18% para 70,39 dólares. Os analistas explicam esta menor diferença entre o WTI e o Brent com a desvalorização do dólar e a queda nos "stocks" da matéria-prima nos Estados Unidos.

Ouro estável após ciclo de ganhos

A cotação do ouro está a negociar estável, nos 1.348,66 dólares a onça, depois de ter valorizado em seis das últimas sete semanas. O metal precioso valorizou 1,3% nas últimas cinco sessões, beneficiando sobretudo com a fraqueza do dólar, que na sexta-feira transaccionou em mínimos de Dezembro de 2014.      

 

 

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nada pior que um general analbafeto ou Há 3 semanas

iletrado. Quando o RACIOCÍNIO deixa a desejar e o analfabetismo for VARRIDO, então poderá assumir o cargo honorifico, auto proposto. Até la seria útil que se remetesse à sua (dele) insignificância e fosse à escola.

General Ciresp Há 3 semanas

Seguindo o raciossinio dos Sr.2 jornalistas quando os estimulos forem totalmente barridos de cena os juros portugueses vao voltar aos celebres 16%?Nao espanta nada q assim possa vir a ser,afinal desde entao o pais foi sempre a enterrar.Ai casalinho,casalinhoGerigonca em festa poiem caixao a porta.

pub