Mercados num minuto Abertura dos mercados: Juros portugueses disparam em dia de leilão de dívida

Abertura dos mercados: Juros portugueses disparam em dia de leilão de dívida

As bolsas europeias negoceiam em alta ligeira, numa altura em que os juros dos países do euro estão a agravar-se. Portugal regista as subidas mais acentuadas, no dia em que realiza o último leilão de Bilhetes do Tesouro deste ano.
Abertura dos mercados: Juros portugueses disparam em dia de leilão de dívida
Bloomberg
Rita Faria 16 de Novembro de 2016 às 09:36

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,20% para 4.412,87 pontos

Stoxx 600 ganha 0,36% para 340,39 pontos

Nikkei valorizou 1,10% para 17.862,21 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 11,7 pontos base para 3,610%

Euro recua 0,07% para 1,0715 dólares

Petróleo em Londres desce 0,34% para 46,79 dólares o barril

 

Bolsas europeias em alta ligeira

As bolsas europeias estão a negociar em alta ligeira esta quarta-feira, 16 de Novembro, pela segunda sessão consecutiva, com a descida das empresas do sector químico a ser compensada pelos ganhos no sector da mineração.

 

Uma semana depois da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, os investidores continuam a avaliar os possíveis impactos da sua política na economia e nas empresas. O índice de referência para a Europa, o Stoxx 600 ganha 0,36% para 340,39 pontos.

 

Na bolsa nacional, o PSI-20 sobe 0,20% para 4.412,87 pontos, animado sobretudo pela Jerónimo Martins, que soma 1,05% para 14,95 euros.

 

Juros portugueses disparam antes de leilão

Os juros da dívida pública portuguesa estão a disparar em todos os prazos, acompanhando a tendência que se estende à generalidade dos países do euro. Esta evolução acontece antes de o IGCP realizar o último leilão de Bilhetes do Tesouro deste ano, em que espera arrecadar até 1.500 milhões de euros.

 

Os juros das obrigações portuguesas a dez anos sobem 11,7 pontos base para 3,610%. Em Espanha, o agravamento é de 5,9 pontos para 1,518% e na Alemanha de 2,5 pontos para 0,333%.

 

Dólar sobe pela oitava sessão consecutiva

O índice que mede a evolução do dólar face às principais congéneres mundiais está a valorizar pela oitava sessão consecutiva, animado pela perspectiva de que a administração Trump vai acelerar o crescimento económico e a inflação. Essa mesma convicção levou as apostas na subida dos juros da Fed em Dezembro para 94%, o nível mais alto deste ano.

 

Petróleo corrige de fortes subidas

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, corrigindo da forte subida registada na sessão de ontem.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,52% para 45,57 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, cai 0,34% para 46,79 dólares.

 

A matéria-prima disparou mais de 5% na sessão de terça-feira, animada pelos esforços diplomáticos levados a cabo pela Venezuela, Qatar e Argélia para assegurar um acordo para o corte da produção na próxima reunião da OPEP no final deste mês.

Segundo a Reuters, alguns ministros da Energia de países da OPEP vão reunir-se esta sexta-feira, em Doha, para tentarem chegar a um consenso sobre a implementação do acordo alcançado em Setembro, para cortar a produção do cartel e estabilizar os preços. 

Ouro desce com perspectiva de subida dos juros

 

O ouro segue com sinal vermelho, penalizado pela crescente convicção de que a Reserva Federal dos Estados Unidos vai subir os juros na reunião de Dezembro. O metal precioso cai 0,06% para 1.227,95 dólares por onça, enquanto a prata desliza 0,11% para 17,0575 dólares. 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Carlos Silva Há 2 semanas

Parece que os investidores ainda não viram o estrondoso êxito do crescimento no 3º trimestre... Ou a propaganda é só para consumo interno?

comentários mais recentes
Carlos Silva Há 2 semanas

Parece que os investidores ainda não viram o estrondoso êxito do crescimento no 3º trimestre... Ou a propaganda é só para consumo interno?

Jose Santos Há 2 semanas

Natural, com "Trampadas" só podia.

Josefa Martins Há 2 semanas

Depois de a geringonça ficar eufórica, com poucochinho.... vêem estes mauzões estragar a festa? ?? Ó Galamba e esta? Estamos tramados! ?? isso sim!

Antonio Rego Há 2 semanas

Disparam????Já não estou a perceber?????

ver mais comentários
pub