Mercados num minuto Abertura dos mercados: Juros sobem em dia de emissão. Bolsas descem antes de ouvir Trump

Abertura dos mercados: Juros sobem em dia de emissão. Bolsas descem antes de ouvir Trump

As bolsas europeias estão a negociar em queda, no dia em que Donald Trump dará a primeira conferência desde a vitória nas eleições de Novembro. Os juros portugueses estão em alta antes da emissão sindicada, e o petróleo recupera de mínimos.
Abertura dos mercados: Juros sobem em dia de emissão. Bolsas descem antes de ouvir Trump
Bloomberg
Rita Faria 11 de janeiro de 2017 às 09:16

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,83% para 4.580,03 pontos

Stoxx 600 perde 0,15% para 363,54 pontos

Nikkei valorizou 0,33% para 19.364,67 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,6 pontos base para 4,056%

Euro ganha 0,02% para 1,0556 dólares

Petróleo em Londres valoriza 0,35% para 53,83 dólares o barril

 

Bolsas europeias no vermelho pela terceira vez em quatro sessões

As bolsas europeias estão a negociar em queda esta quarta-feira, 11 de Janeiro, pela terceira vez nas últimas quatro sessões. O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, desce 0,15% para 363,54 pontos.

 

Por cá, o PSI-20 desce 0,83% para 4.580,03 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP e pela Jerónimo Martins. O banco liderado por Nuno Amado cai 6,84% para 86 cêntimos, o que correspnde a um novo mínimo histórico. Os títulos continuam a ser penalizados pelo anúncio do aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros que a instituição vai realizar, para reembolsar a última tranche da ajuda estatal e reforçar os rácios de solvabilidade.

 

Já a retalhista comandada por Pedro Soares dos Santos desce 1% para 15,795 euros, na véspera de apresentar as vendas preliminares relativas aos últimos três meses do ano passado.

 

Juros portugueses acima de 4% em dia de emissão de dívida

Os juros da dívida pública portuguesa estão em alta ligeira esta quarta-feira, em linha com a generalidade dos países do euro. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos sobe 0,6 pontos para 4,056%, no dia em que o Tesouro vai arrancar com o plano de financiamento para 2017, com uma emissão sindicada de novas obrigações a dez anos. O objectivo do IGCP é arrecadar três mil milhões de euros.

 

Em Espanha, os juros da dívida a dez anos sobem 0,6 pontos para 1,481% e em Itália avançam 1,5 pontos para 1,929%. Na Alemanha, o agravamento é de 7,3 pontos para 0,358%.

 

Dólar em alta ligeira antes da conferência de Trump

O índice que mede a evolução do dólar norte-americano face às principais divisas mundiais está a subir pela segunda sessão consecutiva, antes de o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, realizar a sua primeira conferência de imprensa desde que venceu as eleições a 8 de Novembro.

 

Todos os olhos estarão postos no empresário, que deverá dar indicações sobre as políticas que pretende implementar quando chegar à Casa Branca.

 

Petróleo recupera de mínimos de quase um mês

O petróleo está a negociar em alta ligeira, depois de ter atingido ontem o valor mais baixo desde meados de Dezembro. 

 

Esta evolução acontece numa altura em que o mercado continua a olhar para o cumprimento dos cortes na produção acordados entres os membros da OPEP, e antes de serem revelados os dados sobre as reservas de crude pela Administração de Informação de Energia dos EUA que deverão mostrar uma subida na semana passada.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,3% para 50,97 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, avança 0,35% para 53,83 dólares.  

 

Urânio dispara 10%

O urânio registou a maior subida em mais de três semanas, depois de o Cazaquistão ter anunciado que vai reduzir a sua produção em 10% este ano, na sequência da descida de preços registada em 2016, num contexto de excesso de oferta no mercado.


Segundo os dados da Ux Consulting, citados pela Bloomberg, o urânio subiu 10% para 24,25 dólares, o valor mais alto desde Setembro.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O Trump não quererá vir governar Portugal ? Talvez assim houvesse emprego para os nossos filhos... O Costa dá-se tão bem na Índia...

pub
pub
pub
pub