Mercados num minuto Abertura dos mercados: Novidades no sector da banca marcam última sessão antes do Natal

Abertura dos mercados: Novidades no sector da banca marcam última sessão antes do Natal

As bolsas europeias estão em alta ligeira na última sessão antes do Natal, animadas pelo sector da banca, onde se destacam o Deutsche Bank e as instituições italianas. Os juros estão em queda, tal como o petróleo.
Abertura dos mercados: Novidades no sector da banca marcam última sessão antes do Natal
Reuters
Rita Faria 23 de Dezembro de 2016 às 09:34

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,43% para 4.632,59 pontos

Stoxx 600 ganha 0,08% para 360,10 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 3,3 pontos base para 3,770%

Euro sobe 0,11% para 1,0448 dólares

Petróleo em Londres desliza 0,69% para 54,67 dólares o barril

Banca anima bolsas europeias

As bolsas europeias estão a negociar em alta ligeira esta sexta-feira, 23 de Dezembro, animadas sobretudo pelo sector da banca, depois de o Deustche Bank, Credit Suisse e Barclays terem fechado acordos com as autoridades norte-americanas, e de o Governo italiano ter aprovado um decreto para intervir na banca, na sequência do fracasso do plano de recapitalização do Monte de Paschi. Esta decisão, que reduz potencialmente o risco sistémico no sector, está a levar os bancos italianos a subir mais de 1%.

Já o Deutsche Bank valoriza mais de 4%, depois de ter acordado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos o pagamento de 7,2 mil milhões de dólares: uma multa civil de 3,1 mil milhões de dólares (cerca de 2,96 mil milhões de euros) e 4,1 mil milhões de dólares (cerca de 3,92 mil milhões de euros) em compensações aos consumidores.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,08% para 360,10 pontos.

Também o Credit Suisse aceitou pagar 5,3 mil milhões de dólares para fechar a investigação das autoridades norte-americanas ao negócio de mortgage-backed securities (títulos relacionadas com crédito hipotecário).

No plano nacional, o PSI-20 sobe 0,43% para 4.632,59 pontos, impulsionado sobretudo pelo BCP, que valoriza 1,32% para 1,0985 euros.

Juros descem na Zona Euro

Os juros da dívida da generalidade dos países do euro estão a descer esta sexta-feira. Em Portugal, a ‘yield’ das obrigações a dez anos cai 3,3 pontos base para 3,770%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, o alívio é de 2,5 pontos para 1,376%. Na Alemanha, os juros das bunds recuam 1,5 pontos para 0,245%, enquanto em Itália descem 3,4 pontos para 1,818%, depois de o Governo de Paolo Gentiloni ter tomado medidas para tentar garantir a estabilidade do sistema bancário.

Em conselho de ministros, realizado ontem, o Executivo aprovou a constituição de um fundo de 20 mil milhões de euros para apoiar os bancos, que já teve a luz verde do parlamento e o aval de Bruxelas.  

Euro sobe pela terceira sessão

A moeda única europeia está a ganhar terreno face ao dólar pela terceira sessão consecutiva, após ter atingido, na terça-feira, mínimos de 2003 face à divisa dos Estados Unidos, nos 1,0352 dólares.

O euro tem sido pressionado pela crescente discrepância entre a política monetária da Zona Euro e dos Estados Unidos, ao passo que o dólar tem sido impulsionado pela perspectiva de que as políticas de Donald Trump vão impulsionar o crescimento económico.

Nesta altura, o euro ganha 0,09% para 1,0446 dólares.   

Petróleo cai com subida das reservas

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, reflectindo os dados das reservas dos Estados Unidos que, contra todas as expectativas, subiram pela primeira vez em cinco semanas, de acordo com os dados divulgados na quarta-feira.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,79% para 52,53 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, desvaloriza 0,69% para 54,67 dólares.

Os dados sobre as reservas colocaram um travão no optimismo em torno do acordo alcançado pelos membros da OPEP para cortar a produção, que sustentou os ganhos recentes da matéria-prima.

Ouro sobe pela primeira vez em quatro sessões 

O metal precioso está a negociar em alta depois de três sessões consecutivas de perdas, que o levaram a encerrar ontem no valor mais baixo em mais de dez meses (1.128,38 dólares). Isto depois de ter sido divulgado que a economia norte-americana cresceu mais do que era esperado no terceiro trimestre, reforçando potencialmente os argumentos da Fed para acelerar as subidas dos juros no próximo ano.

O ouro ganha 0,31% para 1.131,91 dólares, enquanto a prata sobe 0,23% para 15,8301 dólares. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

CTT upa upa até ao dividendo. Tem muito para subir tendo em conta as quedas dos ultimos meses.
E mais não digo.

pub
pub
pub
pub