Mercados num minuto Abertura dos mercados: Petróleo em máximos de mais de dois anos, juros abaixo de 2% pelo oitavo dia

Abertura dos mercados: Petróleo em máximos de mais de dois anos, juros abaixo de 2% pelo oitavo dia

A expectativa sobre o prolongamento dos cortes da OPEP e a redução de "stocks" no mercado norte-americano impulsionam o valor do petróleo em Nova Iorque. Já as 'yields' da dívida portuguesa continuam abaixo do limiar dos 2% à espera da decisão da Fitch.
Abertura dos mercados: Petróleo em máximos de mais de dois anos, juros abaixo de 2% pelo oitavo dia
DR
Os mercados em números
PSI-20 ganha 0,05% para 5.294,06 pontos
Stoxx 600 sobe 0,05% para 388,30 pontos
Nikkei valorizou 0,48% para 22.523,15 pontos
Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 0,1 pontos base para 1,918%
Euro sobe 0,26% para 1,1769 dólares
Petróleo em Londres soma 1,05% para 63,23 dólares

Bolsas somam pelo terceiro dia
Os principais índices europeus avançam, com os ganhos sustentados nas acções dos sectores da energia e das minas, depois de novos recordes em Wall Street e de máximos renovados nas praças asiáticas, perante optimismo em relação aos resultados empresariais no ano que vem e expectativa com a conclusão da reforma fiscal nos EUA.

A praça portuguesa acompanha o tom positivo, também a valorizar pela terceira sessão, embora com subidas limitadas. Os ganhos da Mota-Engil (superiores a 3%), da Pharol e da EDP (que recupera da queda de ontem, motivada por corte da recomendação e preço-alvo por parte da Morgan Stanley) compensam as descidas da Sonae, BCP e Galp - aqui em contraciclo com os avanços do preço do petróleo e no dia em que a Lusa noticia que a energética vai ficar com a totalidade da posição no bloco Camarão em Peniche.

A captar a atenção dos investidores ao longo do dia deverão estar possíveis desenvolvimentos políticos na Alemanha (onde se mantém o impasse político para a formação de novo governo, apesar de apoiantes de Merkel entreabrirem a porta a reeditar a grande coligação com o SPD) e à apresentação da proposta orçamental no Reino Unido.

Juros abaixo de 2% pelo oitavo dia
As 'yields' associadas à transacção da dívida portuguesa em mercado secundário negoceiam sem sinal comum, levando os juros no prazo a 10 anos a uma apreciação ligeira, de 0,1 pontos base para 1,918%, sendo esta a oitava sessão em que se mantém abaixo do patamar dos 2%.

A "yield" portuguesa no prazo de referência renovou hoje mínimos de Abril de 2015 nos 1,897%, enquanto o prémio de risco (diferencial para os juros pagos no mesmo prazo das obrigações alemãs) está nos 155,96 pontos, o valor mais baixo desde Abril de 2015. Para as obrigações italianas a distância é ainda mais curta, de 12,95 pontos base, o valor mais baixo desde Janeiro de 2010. Depois de a S&P ter tirado em 15 de Setembro a dívida portuguesa da categoria "lixo", a 15 de Dezembro será a vez da Fitch se pronunciar.

Moeda da Zona Euro em alta
O euro continua a ganhar terreno face ao dólar, numa altura em que o impasse na Alemanha continua e que o mercado aguarda pela divulgação das minutas da Fed referentes ao último encontro, em que decidiu manter inalterada a taxa de juro de referência. 

Depois da ruptura nas negociações entre a CDU de Merkel e os liberais do FDP e os Verdes, o que gerou um impasse político, os apoiantes da actual chanceler acreditam que esta situação pode terminar com uma coligação entre Merkel e Martin Schulz. Embora os sociais-democratas do SPD dêem sinais de descrença neste cenário.

Petróleo em máximos de dois anos em Nova Iorque
O preço do barril de petróleo tocou esta quarta-feira em Nova Iorque o valor mais alto desde Julho de 2015, perante dados de redução dos inventários semanais na maior economia do mundo, os Estados Unidos, e à espera de uma decisão na próxima semana por parte do cartel da OPEP para possivelmente estender, para lá de Março, os cortes de produção destinados a suportar os preços a nível internacional.

O preço do barril West Texas Intermediate já esteve a subir 2,02% para 57,98 dólares, enquanto o Brent negoceia em Londres a avançar mais de 1%.

Ouro sobe à espera das minutas da Fed
O preço da onça de ouro avança pela segunda sessão, perante as quedas do dólar e numa altura em que os investidores aguardam pela divulgação das actas da última reunião da Reserva Federal, nas quais tentarão antecipar os próximos passos da autoridade monetária na redução dos estímulos ao mercado, nomeadamente o ritmo de subida de juros.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

É sobejamente conhecido o número de países que estão a fazer efectivamente reformas tão profundas quanto acertadas ou não fossem esses países cada vez mais fortes socialmente e economicamente. Dos escandinavos aos da Oceania, dos da América do Norte ao Reino Unido e à Alemanha. E reformas neste contexto, entenda-se, implicam invariavelmente liberalização e flexibilização quase plena dos mercados de factores produtivos, de bens e de serviços. Promovendo um mercado saudável e funcional onde quer o pós-doutorado como o rapazola das Novas Oportunidades ganham consoante o valor que sabem criar, dadas as reais condições de oferta e procura de mercado face àquilo que têm para oferecer na economia, e não consoante a moldura legal que os torna mais ou menos imunes às forças de mercado no decorrer de toda uma carreira assente na mais pura extracção de valor sem qualquer pertinência, sentido ou justificação.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O que o Anónimo dos excedentários quer dizer é que os Países escandinavos estão atualmente a impor um rendimento universal para toda a população quer tenha emprego ou não. Essa será a tendência a prazo quer se concorde ou não.

Por favor atualize a lenga lenga porque essa cassete já tem 10 anos!

Re: Anónimo BCP Há 3 semanas

Se confias tanto nesses larápios, compra tu!

Anónimo Há 3 semanas

É sobejamente conhecido o número de países que estão a fazer efectivamente reformas tão profundas quanto acertadas ou não fossem esses países cada vez mais fortes socialmente e economicamente. Dos escandinavos aos da Oceania, dos da América do Norte ao Reino Unido e à Alemanha. E reformas neste contexto, entenda-se, implicam invariavelmente liberalização e flexibilização quase plena dos mercados de factores produtivos, de bens e de serviços. Promovendo um mercado saudável e funcional onde quer o pós-doutorado como o rapazola das Novas Oportunidades ganham consoante o valor que sabem criar, dadas as reais condições de oferta e procura de mercado face àquilo que têm para oferecer na economia, e não consoante a moldura legal que os torna mais ou menos imunes às forças de mercado no decorrer de toda uma carreira assente na mais pura extracção de valor sem qualquer pertinência, sentido ou justificação.

Anónimo Há 3 semanas

Não se assustem com as pequenas descidas do BCP.
Tudo isto é previsível.
Agora os shorts vão entrar para comprar e fechar posições, e a ação vai subir que nem um foguete.
E tenho um palpite que já vai começar hoje a subida.
Meus amigos, está na altura de comprar BCP.

pub