Mercados num minuto Abertura dos mercados: Petróleo sobe para máximos e juros portugueses em novo mínimo de 2015

Abertura dos mercados: Petróleo sobe para máximos e juros portugueses em novo mínimo de 2015

As bolsas europeias estão a negociar em queda, enquanto o petróleo segue no valor mais elevado em mais de dois anos. Os juros da dívida portuguesa acompanham o alívio na Europa e seguem em mínimos de Abril de 2015.
Abertura dos mercados: Petróleo sobe para máximos e juros portugueses em novo mínimo de 2015
Reuters
Rita Faria 06 de novembro de 2017 às 09:13

Os mercados em números

PSI-20 cai 0,26% para 5.354,58 pontos

Stoxx 600 perde 0,09% para 395,71 pontos

Nikkei valorizou 0,04% para 22.548,35 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 2,5 pontos para 2,044%

Euro inalterado em 1,1608 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,81% para 62,57 dólares o barril

 

Bolsas europeias em queda ligeira

As bolsas europeias estão a negociar em queda ligeira esta segunda-feira, 6 de Novembro, com os investidores atentos aos resultados trimestrais das empresas, num dia marcado pela ausência de indicadores macroeconómicos revelantes.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perde 0,09% para 395,71 pontos, numa altura em que só a bolsa de Atenas segue em terreno positivo.

 

Depois de ter oscilado entre ganhos e perdas durante a primeira hora de negociação, o principal índice português cai 0,26% para 5.354,58 pontos, penalizado sobretudo pelo BCP e pela Altri.

 

O banco liderado por Nuno Amado recua 1,18% para 25,25 cêntimos enquanto a Altri afunda 4,93% para 5,40 euros, depois de a JB Capital Markets ter cortado a recomendação para as acções de "comprar" para "neutral", na sequência dos resultados apresentados na sexta-feira. O preço-alvo foi aumentado de 5,40 para 6,00 euros.

 

A Altri registou um resultado líquido de 68 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano, o que representa um crescimento de 19,2% face ao mesmo período de 2016.

 

Juros portugueses atingem novo mínimo de 2015

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão no valor mais baixo em mais de dois anos e meio, depois de a agência DBRS ter decidido manter o rating da dívida soberana nacional em "BBB" – último nível do grau de investimento – e a perspectiva "estável" na passada sexta-feira.

 

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos recua 2,5 pontos para 2,044%, o valor mais baixo desde Abril de 2015, acompanhando o alívio que se regista nas principais economias do euro.

 

Em Espanha, os juros descem 1,6 pontos para 1,458% e na Alemanha 2,2 pontos para 0,342%.

 

Dólar quase inalterado

O índice que mede o desempenho do dólar face às principais congéneres europeias está quase inalterado esta segunda-feira, recuando 0,04%, numa altura em que o mercado aguarda por mais pistas sobre a eventual subida dos juros em Dezembro, e sobre qual será a linha de actuação do substituto de Janet Yellen, Jerome Powell.

 

Petróleo em máximos de Julho de 2015

O petróleo está a negociar em máximos de Julho de 2015 nos mercados internacionais, com as detenções na Arábia Saudita a serem vistas como uma consolidação do poder do príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman, que defende um prolongamento dos cortes na produção desta matéria-prima.

 

Dezenas de príncipes, ministros - actuais e antigos - e homens de negócios foram detidos na Arábia Saudita durante uma operação anticorrupção, na noite de sábado, levada a cabo por um comité criado horas antes pelo rei Salman bin Abdulaziz e dirigido pelo príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, ganha 0,74% para 56,05 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, sobe 0,81% para 62,57 dólares.

 

Ouro em queda ligeira

O metal precioso está em queda ligeira, devido à crescente convicção do mercado de que a Fed vai subir os juros novamente em Dezembro. A probabilidade apontada pelos analistas subiu de 87,5% para 92%.

 

O ouro cai 0,02% para 1.269,65 dólares enquanto a prata ganha 0,34% para 16,9009 dólares.  




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele, são sobejamente conhecidos. observador.pt/2017/11/02/economia-portuguesa-esta-presa-por-quatro-grandes-arames/

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele, são sobejamente conhecidos. observador.pt/2017/11/02/economia-portuguesa-esta-presa-por-quatro-grandes-arames/

surpreso Há 2 semanas

Porreiro! Entãom podemos comprar mais combustíveis.Siga a dança!

MOTA e ENGIL falência á vsta Há 2 semanas

OS CONTRATOS FDORAM TODOS POR AGUA ABAIXO LÀ VAI A LAMBRETA voltar a COTAR a 1 EURO

FOSUN : MILENIUM BCP a 0.50 Há 2 semanas


A FOSUN não larga a HIPOTESE de FICAR com todo o BCP por isso não ABDICA de ir AUMENTANDO o NUMERO DE SHORTS para que no LANÇAMENTO da OPA não SEJA ULTRAPASSADO o VALOR DE 0.50 por AÇÃO

ver mais comentários
pub