Mercados num minuto Abertura dos mercados: Semestre arranca com bolsas e petróleo em alta

Abertura dos mercados: Semestre arranca com bolsas e petróleo em alta

As principais praças europeias estão a negociar em alta, uma tendência que verifica-se também no petróleo. O euro, depois dos ganhos registados na semana passada, continua a aliviar e cede terreno face ao dólar.
Abertura dos mercados: Semestre arranca com bolsas e petróleo em alta
Ana Laranjeiro 03 de julho de 2017 às 09:30

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,54% para 5.180,78 pontos

Stoxx 600 ganha 0,61% para 381,69 pontos

Nikkei valorizou 0,11% para 20.055,80 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos caem 1,2 pontos para 3,015%

Euro recua 0,39% para 1,1382 dólares

Petróleo em Londres valoriza 0,39% para 48,96 dólares o barril

 

Bolsas europeias animadas no arranque do semestre

As principais bolsas europeias estão a negociar em terreno positivo na sessão desta segunda-feira, 3 de Julho - a primeira sessão do segundo semestre. Destaque para os títulos do sector bancário e energético, que são os que mais sobem nesta manhã. O índice que agrega os principais bancos do Velho Continente avança 1,44% e o índice que agrega as principais cotadas de petróleo e gás sobe 1,28%.


A liderar os ganhos no Velho Continente está o principal índice italiano que sobe 1,04%, seguido pelo francês CAC40, que ganha 1%.


Em Lisboa, o PSI-20 sobe 0,54% e a banca e a energia estão também em destaque. O BCP ganha 1,70% para 23,97 cêntimos e o Montepio dispara 6,85% para 51,5 cêntimos depois de na última sexta-feira, 30 de Junho, ter sido anunciado que foram injectados 250 milhões de euros oriundos da associação mutualista no Montepio, reforçando assim o capital para mais de dois mil milhões de euros. Numa operação que foi imposta pelo Banco de Portugal, segundo a edição desta segunda-feira do Negócios.


Juros pouco alterados

Os juros da dívida pública portuguesa estão pouco alterados no mercado secundário. A dez anos, a "yield" cede 1,2 pontos base para 3,015%, isto depois de na última sexta-feira o Governo português ter formalizado o pagamento antecipado de 1.000 milhões de euros do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no âmbito do programa de assistência económica e financeira.

Este não será o único pagamento antecipado programado para este ano. "Portugal reembolsou hoje, antecipadamente, mais uma parcela do empréstimo ao FMI, equivalente a 1.000 milhões de euros, que se vencia entre Junho e Outubro de 2019. Até Agosto, Portugal pretende pagar mais 2.600 milhões de euros, antecipando as amortizações do empréstimo que ocorreriam até Abril de 2020", lê-se no comunicado enviado às redacções na semana passada.


Os juros da dívida alemã na mesma maturidade desliza 0,6 pontos base para 0,460%.


Euro continua a alivia, libra sobe

A moeda da Zona Euro continua a aliviar dos ganhos recentes e, por conseguinte, nesta altura cede 0,39% para 1,1382 dólares.


Nota ainda no mercado cambial para a libra que está a subir face ao euro (ganha 0,12% para 1,1412 euros), alimentada pela mudança de tom das autoridades britânicas relativamente ao Brexit. O Governo de Theresa May está a adoptar um tom mais sóbrio e realista, escreve a Bloomberg. O ministro das Finanças, Philip Hammond, vai discursar hoje na Confederação da Indústria britânica e vai dizer os empresários que os seus receios em relação à ruptura que pode ser gerada com o Brexit, nomeadamente com parceiros comerciais, não serão descartados.


Além disso, o Financial Times titula hoje que a City de Londres vai a Bruxelas pressionar as autoridades europeias para que seja alcançado um acordo de livre comércio para os serviços financeiros.


Petróleo animado com queda da produção

Os preços do petróleo estão a subir nos mercados internacionais animados pelos dados que indicam uma travagem na produção norte-americana de crude. Os números da Baker Hughes Inc., revelados na última sexta-feira e citados pela Bloomberg, indicam que houve uma redução do número de plataformas de exploração de crude em solo americano pela primeira vez em 24 semanas.


O West Texas Intermediate sobe 0,48% para 46,26 dólares por barril. E o Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, ganha 0,39% para 48,96 dólares por barril.

Ouro em queda
Para o ouro, o arranque do segundo semestre está a ser negativo, com a matéria-prima, para entrega imediata, a recuar 0,50% para 1.235,39 dólares por onça.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
o mistério do BCP 03.07.2017

Não existe nenhum mistério com os títulos do BCP... o titulo estagnou entre os 0,22-0,24€ enquanto na Europa a banca subiu +-30% em virtude do referido estar demasiado alto, apenas isso. Comprar a BCP a estes preços é entalanço na certa, não tenham qualquer dúvida.

ESTRANHO ..... MISTÉRIO 03.07.2017

tal como os bancos por toda a europa que subiram 30 % em 7 dias aqui o NOSSO BCP subiu 1 % ESTRANHO MISTÉRIO ainda mais que o milenium polaco TRIPLICOU tal como o português os resultados do 1 TRIMESTRE e as AÇÕES continuam por TRIPLICAR ; MISTÉRIO

Luis 03.07.2017

A SONAE desce sem explicação. Os cromos dos analistas não deviam ganhar mais do salário mínimo. Afinal todos dão a SONAE como uma aposta do melhor e nem a 1 euro consegue chegar. Tal como a bola, é só lavar massa.

pub
pub
pub
pub