Bolsa Acções do BCP ajustam terça-feira para 13,83 cêntimos

Acções do BCP ajustam terça-feira para 13,83 cêntimos

No último dia em que negociaram com os direitos incorporados, as acções fecharam a cair 7,58%. Desde o aumento de capital afundam 23%.
Acções do BCP ajustam terça-feira para 13,83 cêntimos
Nuno Carregueiro 16 de janeiro de 2017 às 16:52

As acções do Banco Comercial Português sofrem amanhã um ajuste técnico para reflectir o facto de passarem a negociar em bolsa destacadas dos direitos de subscrição do aumento de capital.

 

No último dia em que negociaram com os direitos incorporados, as acções fecharam a cair 7,58% para 80,31 cêntimos, muito perto do mínimo histórico fixado na quinta-feira (79,03 cêntimos). A esta cotação de fecho de hoje, corresponde agora um preço teórico de 13,83 cêntimos, uma vez que as acções adquiridas a partir de amanhã já não conferem o direito a participar no aumento de capital.

 

Quem manteve as acções em carteira até ao final de hoje, verá amanhã a cotação dos títulos sofrer um ajuste técnico para 13,83 cêntimos, mas em contrapartida verá creditado na sua carteira um direito de subscrição que tem nesta altura um valor teórico de 66,48 cêntimos. Este valor do direito, que é apenas teórico, resulta precisamente da diferença entre a cotação de fecho desta segunda-feira e o preço teórico ajustado ao destaque dos direitos. Desta forma, o ajuste técnico não representa qualquer perda para os detentores de acções do BCP.

 

Apesar destes valores teóricos, a acção do BCP poderá abrir amanhã em valores diferentes, pois a sua cotação dependerá, como sempre, do mercado. Mas o valor de referência será 13,83 cêntimos. Também os direitos, que começam a negociar em bolsa na quinta-feira, poderão negociar em valores diferentes, dependentes da evolução da procura e da oferta.

 

Queda de 23% desde anúncio do aumento de capital

 

O aumento de capital do BCP foi anunciado há precisamente uma semana e nessa segunda-feira as acções fecharam a valer 1,0412 euros. Cotação que apontava para um valor teórico pós-aumento de capital de 0,1532 euros. Desde então as acções afundaram 23%, o que equivale a uma perda de capitalização bolsista de 225 milhões de euros.

 

Por cada acção que mantiveram em carteira até ao final da sessão de hoje, os accionistas do BCP vão receber um direito, que permite depois a subscrição de 15 novas acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 

Os accionistas que pretendem subscrever o aumento de capital devem exercer os direitos. Os que não pretendem acompanhar, devem dar ordem de venda dos direitos, pois caso não o façam perdem grande parte do investimento no BCP. É que os direitos deixam de ter valor em definitivo assim que deixarem de negociar em bolsa.

Calcule quantas acções pode receber:



 

  


A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado bicho 16.01.2017

Isto acontece porque o BCP sempre sobreviveu à base de fraudes com que vigariza os clientes para lhes extorquir o património.
As Gigantes Fraudes datam, pelo menos, desde 1999, só que foram sempre consentidas por quem tinha a obrigação de impedi-las.
Mais, alguns dos responsáveis dessas fraudes estão no BdP (Carlos Costa governador) e na CMVM (Namorado Rosa director da supervisão)
O mais certo é os contribuintes virem a ser chamados para pagarem a factura, o Sr, PR e o M.P, deviam intervir, porque isto está tudo minado e é o descrédito total.
Nuno Amado, tal como aconteceu com Jardim Gonçalves, Paulo Teixeira Pinto, Filipe Pinhal, Carlos Santos e Armando Vara, está lá só para garantir as chorudas remunerações e reformas, não para zelar pela legalidade.

comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2017

Alguém já fez os cálculos para ver com quanto fica depois do aumento de capital com a cotação da acção corrigida?
Ou me enganei nos cálculos ou vejo que no dia em que a acção corrigir o preço, todos os accionistas estarão a perder 30% do seu capital ?

Anónimo 16.01.2017

Este banco só me faz perder dinheiro! Gestão ruinosa dos vários CEOs muito bem remunerados. Deviam ter vergonha de andarem a chular os pequenos acionistas. E não venham dizer que só investe quem quiser! É que os gestores de contas andam à nossa procura como cães para comprarem ações .

sen7inela 16.01.2017

Este aumento de capital é super desonesto, estão a fazer uma separação abruta de accionistas (para ver se os peixes pequenos vendem as acções ao desbarato aos tubarões), nunca vi tal coisa o direito valer quase 6 vezes mais do que a acção teórica.
É para obrigar os accionistas pequenos a irem ao aumento de capital, ou a venderem as acções ao desbarato...
E o próximo passo deve ser o "stock split" novamente...

Anónimo 16.01.2017

Perdí metade dos meus euros no BCP eludido na conversa de Nuno Amado , o que tem segurado o Banco de pé foi os aumentos de capital com promeças enganosas do Presidente. É só jogadas , não dou um ano que estas novas ações desvalorizem 50% .
. Já começou a inverter.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub