Bolsa Acções do Deutsche Bank sob pressão com adiamento de acordo

Acções do Deutsche Bank sob pressão com adiamento de acordo

Não houve acordo entre a administração do banco e o Departamento de Justiça dos EUA no fim-de-semana, ao contrário do que era esperado. Ainda assim, as negociações vão continuar.
Acções do Deutsche Bank sob pressão com adiamento de acordo
reuters
Rita Faria 10 de Outubro de 2016 às 09:47

As acções do Deutsche Bank estão a negociar em queda na bolsa de Frankfurt, depois de o CEO do banco, John Cryan, não ter conseguido fechar um acordo com as autoridades norte-americanas sobre o valor da coima que será aplicada à instituição pela venda irregular de instrumentos financeiros. Os títulos descem 2,40% para 11,80 euros.

No domingo, o jornal alemão Bild avançou que a administração do banco não chegou a um entendimento com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos no encontro que decorreu sexta-feira ao final do dia em Washington, à margem da reunião anual do FMI e Banco Mundial.

As acções do maior banco da Europa valorizaram em seis das últimas sete sessões, animadas precisamente pela expectativa de que a administração chegasse a um acordo com as autoridades norte-americanas neste fim-de-semana, para reduzir o valor da coima, inicialmente fixada em 14 mil milhões de euros.

Apesar disso, as negociações entre as duas partes não foram interrompidas e vão continuar, como confirmou à Bloomberg uma fonte próxima do processo.  

Ao mesmo tempo que negoceia com o Departamento de Justiça o valor da penalização, o CEO do banco está a estudar várias opções para reforçar o capital e garantir que a instituição consegue enfrentar a coima.

Segundo avançou a Bloomberg na semana passada, o banco alemão está em conversações informais com bancos de investimento para explorar as alternativas, que incluem a realização de um aumento de capital, caso o valor final da coima o exija.

 

Os assessores das principais empresas de Wall Street estão em contacto com representantes do Deutsche Bank e a discutir ideias, entre as quais uma emissão de acções e a venda de activos.

 

O Financial Times adiantou que uma das opções que estão a ser estudadas pelo Deutsche Bank é a venda de uma participação minoritária na sua gestora de activos, que tem 719 mil milhões de euros de activos sob gestão.

 

Apesar de ter negado repetidamente qualquer envolvimento no processo, o Governo de Berlim estará em conversações com as autoridades em Washington para ajudar a garantir um bom acordo para o maior banco do país.

Membros do Governo de Angela Merkel, falando em condição de anonimato, disseram à Reuters que esperam facilitar um acordo rápido que permita ao Deutsche Bank comprar tempo para recuperar a sua estabilidade.  

 

Segundo a agência noticiosa, uma dessas fontes admitiu mesmo que houve "contacto a todos os níveis" entre responsáveis alemães e norte-americanos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.10.2016

MALDITOS BANCOS, ODEIO BANCOS. BANQUEIROS CRIMINOSOS E ADVOGADOS CRIMINOSOS, CLASSE CORRUPTA.

Eduardo Melo 10.10.2016

o Governo tem que intervir na banca alemã

Anónimo 10.10.2016



PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


pub
pub
pub
pub