Bolsa Acções dos CTT prestes a anular ganhos desde a OPV de 2013

Acções dos CTT prestes a anular ganhos desde a OPV de 2013

As acções dos CTT estão apenas 0,7% acima do preço a que foram vendidas na oferta pública de venda realizada em 2013, nos 5,52 euros. Desde a apresentação de resultados do primeiro semestre, em Agosto, já afundam 24%.
Acções dos CTT prestes a anular ganhos desde a OPV de 2013
Miguel Baltazar
Rita Faria 07 de Outubro de 2016 às 17:20

As acções dos CTT estão muito próximas de anular os ganhos desde a entrada em bolsa, em Dezembro de 2013.

Os títulos da empresa liderada por Francisco Lacerda desceram 3,19% para 5,562 euros esta sexta-feira, 7 de Outubro, depois de terem chegado a perder 3,36% para 5,552 euros, o valor mais baixo desde 2 de Janeiro de 2014, e pouco acima do preço da OPV (5,52 euros).

Os correios têm sido fortemente penalizados em bolsa, sobretudo desde a apresentação de resultados do primeiro semestre, a 4 de Agosto. Desde esse dia, os títulos já acumulam uma desvalorização de 24%.

Esta descida reflecte os números abaixo do esperado dos CTT que, na primeira metade deste ano, viram o seu resultado líquido atingir os 31,7 milhões de euros, uma queda de 19,1% face ao mesmo período de 2015.

Os resultados foram penalizados sobretudo pelo projecto bancário, que teve um impacto negativo de 10,2 milhões de euros. Excluindo este efeito os lucros atingiram 41,8 milhões de euros, mais 0,2% face ao primeiro semestre de 2015.

Desde que o Banco CTT abriu portas ao público, a 18 de Março, as acções dos correios já caíram quase 36%.

O valor de fecho da sessão desta sexta-feira está apenas 0,7% acima do preço a que as acções foram vendidas na oferta pública de venda inicial nos 5,52 euros. Na primeira sessão em bolsa, a 5 de Dezembro de 2013, os títulos encerraram a ganhar 0,36% para 5,54 euros, depois de terem disparado um máximo de 7,79% para 5,95 euros.

Também é cerca de metade do máximo histórico de 10,49 euros alcançado no dia 4 de Novembro de 2015, antes de a empresa revelar os resultados relativos aos primeiros nove meses desse ano.

Nesse dia, os CTT comunicaram que os seus lucros atingiram 50,6 milhões de euros nos meses entre Janeiro e Setembro de 2015, uma queda de 3,8% face ao mesmo período do ano passado. 






A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
a 08.10.2016

mandem embora os velhos armenios e vaõa isto a bombar

Anónimo 08.10.2016

Ganda Chico! Isto não é ser administrador do BCP em tempos de vacas gordas. Isto não da para perder dinheiro na banca. Mas a vaidade era maior que a razão. Queres é ser banqueiro e não carteiro.

Pedro 07.10.2016

O que me preocupa é o ritmo da queda do negócio postal e a capacidade para a acomodar cortando custos. O resto são feijões. Se mantiver ~130 M€/ano de EBITDA e 80-90 M€/ano de cash gerado a ação está a 9-10x caixa, o que é fantástico numa empresa com caixa líquida, se o negócio for estável.

Estou à espera do tombo dos CTT 07.10.2016

Só compro quando cotarem abaixo de 3 euros, comprar a 5 euros é um risco enorme!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub