Petróleo AIE: Estados Unidos vão atingir produção máxima de petróleo e ultrapassar Arábia Saudita

AIE: Estados Unidos vão atingir produção máxima de petróleo e ultrapassar Arábia Saudita

A produção de petróleo dos Estados Unidos vai atingir este ano um máximo desde 1970 e superar a da Arábia Saudita, segundo maior produtor mundial, e aproximar-se da da Rússia, líder mundial, indicou esta sexta-feira a Agência Internacional de Energia.
AIE: Estados Unidos vão atingir produção máxima de petróleo e ultrapassar Arábia Saudita
Bloomberg
Lusa 19 de janeiro de 2018 às 12:03
No relatório mensal divulgado esta sexta-feira em Paris a Agência Internacional de Energia (AIE) prevê que os Estados Unidos aumentem este ano a produção de petróleo em 1,35 milhões de barris por dia, ou seja superar os 10 milhões de barris e rivalizar com os dois gigantes que continuam a limitar as extracções.

A produção de petróleo dos Estados Unidos apoia-se na subida do preço do petróleo, que aumentou para níveis acima dos 60 dólares e máximos desde Dezembro de 2014, adianta a AIE, organismo dependente da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

Graças a esta dinâmica norte-americana, a AIE prevê que a extracção dos países não pertencentes à OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo) suba em 1,7 milhões de barris diários, contra um acréscimo de 700.000 barris verificado no ano passado.

Em relação à OPEP, a agência prevê que o cartel mantenha os cortes de produção e respeite o acordo, que termina no final do ano e que o levou a cortar em 400.000 barris por dia no ano passado, para 39,2 milhões.

A Venezuela liderou os cortes de produção em 2017, sublinha a AIE.

Quanto à procura, a AIE mantém as previsões de crescimento para 2018 em 1,3 milhões de barris por dia para um total de 99,1 milhões de barris por dia.

Estas estimativas traduzem uma desaceleração da procura face a 2017 que se explica pelo encarecimento do produto, a diminuição do consumo na China associada às políticas ecológicas e à crescente concorrência do gás natural nalguns países.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 21.01.2018

Isto faz-me lembrar a Alemanha a desfazer-se do lixo(carros altamente poluidores que os portugueses em massa estão a comprar). E a subsidiar a compra de carros elétricos.

Anónimo 19.01.2018

As energias alternativas dependem muito do boletim meteorológico e caso haja uma tempestade lá vao as eólicas e painés pró galheiro.Nao são fiáveis ,é uma ilusão substituírem o petr´leo na integra mas criam politica q os levar´ao cadasfalto.Estou para ver.

Anónimo 19.01.2018

O fim do petróleo está próximo. Despejar o mais rápido possível. As alternativas já estão a funcionar. As alternativas renováveis são a energia dos pobres. O sol, o vento e água deve pertencer a todos.

Anónimo 19.01.2018

You know what to do. Oil down the drain.

ver mais comentários
pub