Petróleo AIE: Mercado do petróleo "muito próximo do equilíbrio"

AIE: Mercado do petróleo "muito próximo do equilíbrio"

A Agência Internacional de Energia salienta os esforços feitos pelos países da OPEP no corte de produção nos primeiros três meses do ano e acredita que uma continuação dessa travagem no que resta de 2017 pode pressionar os EUA a reduzirem a oferta.
AIE: Mercado do petróleo "muito próximo do equilíbrio"
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 13 de abril de 2017 às 10:54

A Agência Internacional de Energia (AIE) considera que o mercado internacional de petróleo está muito próximo do equilíbrio, prevendo que os stocks globais de "ouro negro" venham a cair se os cortes de produção acordados entre a OPEP e os países fora do cartel se mantiverem para lá de Maio.

"O mercado está já muito próximo do equilíbrio," refere o relatório da AIE conhecido esta quinta-feira, 13 de Abril, que dá conta de uma evolução lenta dessa progressão.

A organização afirma que os stocks de petróleo caíram em Fevereiro e Março e que além disso a procura foi mais fraca do que o inicialmente previsto, levando a rever em baixa as previsões de consumo em cerca de 100 mil barris por dia para um crescimento diário de 1.300 milhões de barris.

"Estamos a antecipar que a procura cresça consistentemente no mercado petrolífero e pensamos que o equilíbrio chegará lenta mas solidamente e que os números estão aí para o provar," disse o líder da divisão de indústria petrolífera da AIE, Neil Atkinson, à CNBC.

A AIE considera que os cortes acordados pelos produtores membros da OPEP – menos cerca de 1,2 milhões de barris produzidos por dia durante o primeiro semestre deste ano, a que se junta o compromisso dos países exteriores ao cartel de reduzir a produção em metade dessa dimensão - estão a ter um reflexo positivo nos produtores.

E que, se a OPEP estender para o resto do ano os cortes da primeira metade de 2017 isso continuará a ter efeito na queda das existências , sendo ainda um incentivo para que também os EUA travem a produção de "ouro negro."

Depois de ter encerrado o ano passado com uma recuperação de mais de 50% no valor do barril, o Brent – negociado em Londres e que serve de referência às compras em Portugal – ainda não registou este ano nenhum balanço mensal positivo. Em Março, o preço caiu 4,96%.

E recua esta quinta-feira 0,07% para 55,9 euros, depois de na sessão de ontem ter atingido máximos de mais de um mês.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub