Câmbios Alemanha e França pedem repressão global contra a bitcoin

Alemanha e França pedem repressão global contra a bitcoin

Os ministros das Finanças da Alemanha e França, bem como a maior parte dos banqueiros centrais, juntaram-se para apelar a uma repressão global contra a bitcoin e as outras criptomoedas.
Alemanha e França pedem repressão global contra a bitcoin
reuters
Negócios 09 de fevereiro de 2018 às 14:56

O Financial Times noticia esta sexta-feira, 9 de Fevereiro, que os ministros das Finanças da Alemanha e França, a que se junta vários banqueiros centrais, assinaram uma carta dirigida aos congéneres dos países do G-20 em que apelam a uma repressão contra as criptomoedas e alertam para os riscos subjacentes a estes activos.

 

As criptomoedas "colocam riscos substanciais para os investidores" e para a estabilidade financeira no longo prazo. A carta é assinada pelo alemão Peter Altmaier, pelo gaulês Bruno le Maire e pelos responsáveis dos bancos centrais de França (François Villeroy de Galhau) e Alemanha (Jens Weidmann).

 

Os responsáveis notam que as criptomoedas são "enganadoramente classificadas como divisas nos media e na Internet", sendo que a "falta de transparência" sobre estes produtos "alimentam a especulação".

 

Tal como membro do BCE Yves Mersch já tinha dado conta, os responsáveis de França e Alemanha assinalam que as criptomoedas têm implicações "limitadas" na estabilidade do sistema financeiro, embora façam a advertência que estas têm que ser "monitorizadas de perto".

    

Apelam ainda a uma protecção dos investidores de retalho na criptomoedas que "não entendem os riscos a que se estão a expor". E distinguem as criptomoedas da tecnologia que lhe está associada, pois há "uma clara diferença" entre as moedas digitais como a bitcoin o potencial da tecnologia blockchain.

 

Esta carta, que está a ser citada pelo Financial Times, representa mais um factor de pressão sobre as moedas digitais, dado que quase todos os dias surgem vozes de alerta sobre as criptomoedas no mundo financeiro.   

 

Draghi advertiu que a bitcoin e outras criptomoedas são "activos muito arriscados", que devem ser mantidos com prudência, nomeadamente por bancos. 


O director-geral do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) apelou aos governos e reguladores para que tomem medidas no sentido de travar a propagação das criptomoedas para proteger os cidadãos e os investidores.

 

Benoît Coeuré, membro do Conselho Executivo do BCE, afirmou em Janeiro que os líderes dos países que integram o G20 planeiam discutir a criação de uma estrutura regulatória para o funcionamento das moedas digitais quando se voltarem a reunir, em Março, num encontro que terá lugar em Buenos Aires.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 02.03.2018

Vão se foder filhos da PUTA, O POVO manda nesta merda, blockchain é o novo dinheiro, o futuro é brilhante, a tecnologia não é só a favor da minoria opressiva que nos tenta controlar, bitcoin não tem inflação nem se imprime, se os Bancos dizem que é mau, então é porque é bom para nós, informem-se

Anónimo 10.02.2018

Bancos a serem bancos.

General Ciresp 09.02.2018

Nunca ouvi dizer q se apanham abelhas com vinagre.Nao seria mais vantajoso dizer ao vidrinho de altar mario draghi q ja chega de sacrificar os depositos a prazo.

Anónimo 09.02.2018

Metem a mainstream media a encher chouriços com estas notícias da treta, não há absolutamente ninguém que explique ao povinho o que são as cripto. Só leio RT e estou muito satisfeito com a minha escolha, se dependesse nos jornais portugueses andava aí a meter nojo e a dizer que era esquema Ponzi.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub