Mercados Altice arranca com IPO nos EUA e espera encaixar até 374 milhões de dólares

Altice arranca com IPO nos EUA e espera encaixar até 374 milhões de dólares

O grupo de Patrick Drahi anunciou que já avançou com a oferta pública inicial (IPO) nos EUA. O valor total da operação pode chegar aos 1,44 mil milhões de dólares.
Altice arranca com IPO nos EUA e espera encaixar até 374 milhões de dólares
Ivan Guilbert/Bloomberg
Sara Ribeiro 12 de junho de 2017 às 16:01

A Altice USA vai mesmo ser cotada na bolsa norte-americana. O grupo fundado por Patrick Drahi anunciou esta segunda-feira, 12 de Junho, que já lançou a oferta pública inicial (IPO na sigla em inglês). No total, a operação pode chegar aos 1,44 mil milhões de dólares, sendo que para a empresa que controla a Meo o encaixe poderá atingir um máximo de 374 milhões de dólares.

De acordo com o comunicado emitido pela Altice, vão ser emitidas um total de 46.551.725 acções. A empresa espera que a oferta por acção se situe entre os 27 e os 31 dólares por título. Segundo o porta-voz da empresa, citado pela Bloomberg, serão dispersos em bolsa entre 6% a 7% da empresa, o que confere à Altice USA um valor de mercado de entre 19,9 mil milhões e 22,8 mil milhões de dólares, dependendo do valor final das acções no IPO.

Do total das acções, 12.068,966 pertencem à Altice. Tendo em conta as estimativas do preço por acção, o grupo prevê encaixar entre 325 a 374 milhões de dólares.

As restantes vão ser oferecidas pelos restantes accionistas da Altice USA, nomeadamente os fundos BC Partners (20,9 milhões de títulos) e o fundo de investimento de pensões do Canadá (CPPIB) (que vai colocar 13,5 milhões de acções). No total, o IPO, que está a ser assessorada pela JPMorgan, Morgan Stanley, Citigroup e Goldman Sachs, pode valer até 1,44 mil milhões de euros.

A entrada da Altice USA na bolsa norte-americana, na New York Stock Exchange, já tinha sido noticiada e confirmada pela empresa. Apenas faltava conhecer a data de arranque da operação, bem como o montante de acções que iria colocar no mercado e o intervalo de preços.

Segundo o prospecto enviado à SEC, regulador da bolsa norte-americano, a operação tem como objectivo reduzir o endividamento da empresa, em particular com e emissão de títulos de dívida para financiar as compras nos Estados Unidos das operações de televisão por cabo Cablevision (Optimum) e daSuddenlinkCommunications.

Além disso, também terá como objectivo melhorar a sua situação financeira para comprar novos activos nos negócios de banda larga e comunicação nos Estados Unidos, como noticiou a Reuters. E já foram apontados possíveis alvos: a Cox Communications, detida em 31% pela Canada Pension Plan Investment Board e pela BC Partners.


(Notícia actualizada às 19:00 com mais informação)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ETA povo ESTÚPIDO E BURRO 12.06.2017

O PESSOAL LÁ DE FORA ESTÁ TUDO A COMPRAR MILENIUM BCP porque sabem que o BCP é um DIAMANTE que vai QUINTUPLICAR mas aqui NÃO preferem a INSOLVENTE e FALIDA PHAROL cujos administradores vão ser PRESOS # ENFIM preferem continuar no LIXO

Saber mais e Alertas
pub