Bolsa Altice sobe mais de 3% depois de saída de Combes

Altice sobe mais de 3% depois de saída de Combes

As acções da companhia estão em reagir em alta na bolsa holandesa depois de anunciada a reorganização da gestão do grupo dono da portuguesa Meo e que quer comprar a TVI.
Altice sobe mais de 3% depois de saída de Combes
Miguel Baltazar/Negócios
Os títulos da operadora Altice já estiveram a valorizar mais de 3% em Amesterdão nos primeiros minutos de negociação desta sexta-feira, 10 de Novembro, horas depois de conhecida a demissão do CEO do grupo, Michel Combes, e a reorganização da gestão da empresa.

As acções da companhia valorizam 2,20% para 10,895 euros, depois de já terem estado a somar 3,19% para 11 euros, a recuperar dos mínimos de Dezembro de 2015 registados esta quinta-feira (quando tinha terminado o dia com uma descida de 9,66%). 

O comportamento positivo na bolsa acontece depois de, ontem ao final da noite, a empresa ter anunciado que Michel Combes tinha apresentado a demissão do cargo de CEO, posição que voltará a ser ocupada por Dexter Goei. Patrick Drahi substitui Goei enquanto chairman do grupo e Dennis Okhuijsen fica CEO da Altice para a Europa. 

Combes estava há mais de um ano no cargo (desde Junho de 2016) e os motivos para a sua saída não foram revelados. Mas o analista Javier Borrachero, da Kepler Cheuvreux, citado pelo Financial Times, dá conta da preocupação criada pelos resultados trimestrais desapontantes na empresa com elevada dívida:

"Os resultados ficaram ligeiramente abaixo das expectativas. Para outras empresas isso não seria um problema, mas para uma empresa alavancada como a Altice torna-se uma dor de cabeça", afirmou. Segundo a Bloomberg, a dívida da Altice ascende actualmente a 49.600 milhões de euros.

Os ganhos de arranque de sessão travam cinco dias consecutivos de perdas para o título, que resultaram numa perda de 34% do valor das acções. Ontem trocaram de mãos mais de 20 milhões de títulos (10 vezes a média de acções movimentadas diariamente ao longo dos últimos seis meses); hoje já mudaram de mãos 1,2 milhões de títulos.

"Esta nova estrutura representa um retorno à organização central que criou o sucesso do Grupo Altice. Fornecerá uma liderança directa e clara das operações europeias para alcançar o seu potencial e continuar a apoiar a Altice EUA", sublinhou o grupo de Patrick Drahi em comunicado.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mais uma bolha... Há 1 semana

A Altice é um castelo de cartas em cima de uma divida monstruosa. Vai ter de começar a alienar ativos, em vez de continuar a comprar com dinheiro dos outros. Não se consegue enganar toda a gente durante todo o tempo...

pub