Research Analistas aplaudem venda de 584 milhões de défice tarifário pela EDP

Analistas aplaudem venda de 584 milhões de défice tarifário pela EDP

A EDP já tinha anunciado que o seu objectivo era atingir os 1.337 milhões de euros de venda de défice este ano e os analistas acreditam que a empresa deverá atingir esta meta.
Analistas aplaudem venda de 584 milhões de défice tarifário pela EDP
André Cabrita-Mendes 23 de novembro de 2017 às 11:33
A EDP anunciou na quarta-feira a venda de 584 milhões de euros em défice tarifário, elevando para mil milhões de euros alienados este ano. Este défice é gerado porque parte dos custos anuais da empresa, essencialmente compra de electricidade a produtores de renováveis, não são incorporados logo na factura da electricidade e são atirados para o futuro, gerando assim um passivo. Ao vender este défice, a EDP recebe de imediato o valor, abdicando de recebimentos futuros.

Analisando a operação, analistas de várias casas de investimento aplaudiram a operação. O banco Haitong considera que vai ter um impacto "positivo" na cotada, mas a operação já era esperada  "dadas as condições favoráveis no mercado de dívida", segundo uma nota publicada esta quinta-feira, 23 de Novembro.

A EDP já tinha anunciado que o seu objectivo era atingir os 1.337 milhões de euros de venda de défice este, e os analistas da Haitong acreditam que depois desta operação a "EDP deverá atingir este objectivo".

Por seu turno, o BPI destaca que a "transacção é relativamente grande" e afirma que isto são "notícias positivas para a dívida líquida de 15.100 milhões de euros e para a liquidez de 5.500 milhões" do grupo EDP.

O banco estima que 90% das securitizações previstas pela EDP para este ano já devem ter sido atingidas com esta transacção.

Recuando até ao início de 2013, o BPI diz que a EDP já arrecadou 5.324 milhões de euros de securitizações de défice tarifário desde então e até agora. O défice tarifário do sistema eléctrico nacional atingiu um máximo em 2014: 5.300 milhões de euros.

A EDP detinha um total de 1.337 milhões de défice tarifário na sua folha de balanços no final do terceiro trimestre

Por último, o CaixaBI considera que esta foi uma "operação positiva que contribui para a diminuição das necessidades de fundo de maneio da empresa e para o avanço do processo de desalavancagem financeira".

A EDP segue a valorizar 0,41% para 2,9230 na sessão desta quinta-feira na bolsa de Lisboa.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A_Verdade_Inconveniente Há 2 semanas

Interessa é dar "lucro"... com antecipação de receitas futuras. Maquilhar contas para dar dividendos a acionistas e prémios a gestores.
Mas o mato sob a rede elétrica continua por limpar, pronto a começar incêndios que matam pessoas... como se provou no relatório de Pedrógão. EDP/REN = assassinos!

Anónimo Há 2 semanas

Trata se de uma operação de factoring. Descontar recebiveis futuros gera liquidez no curto prazo mas não resolve o problema estrutural. Excesso de Dívida. Excesso de dependência de rendas que vão cair. Minoritários na EDPR. E €15 mil milhões de dívida que não teima em cair. Mexia destruiu a EDP.

rg Há 2 semanas

Há que arranjar dinheiro para distribuir em dividendos lá para Maio/2018 !!