Obrigações Analistas dizem que subida dos juros é "movimento geral" e se deve a "razões externas"

Analistas dizem que subida dos juros é "movimento geral" e se deve a "razões externas"

Uma vez que se trata de um movimento generalizado, os analistas contactados pela Lusa consideram que a subida é "menos grave".
Analistas dizem que subida dos juros é "movimento geral" e se deve a "razões externas"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de janeiro de 2017 às 16:46
Os analistas contactados pela Lusa consideram que a subida dos juros da dívida a 10 anos acima dos 4% se deve sobretudo a "razões externas" e sublinham que se trata de "um movimento geral", pelo que é "menos grave".

Contactado pela Lusa, o director de gestão de activos do Banco Carregosa, Filipe Silva, considera que este aumento se deve a "razões externas, até porque a generalidade das taxas das dívidas soberanas europeias está a subir".

Também a economista do Departamento de Estudos Económicos e Financeiros do BPI Paula Carvalho afirma, em declarações à Lusa, que "a pressão se deve sobretudo a factores externos" uma vez que se observa em "todos os [países] periféricos".

Filipe Silva considera, no entanto, que a subida dos juros "são sempre más notícias para um país que tem dívida para pagar e que tem um fraco crescimento", mas salvaguarda que, "enquanto a subida dos juros da dívida soberana for um movimento geral, é menos grave".

O responsável pela área do mercado de dívida do Banco Carregosa entende que "mais alarmante seria ver as outras taxas a descer e as portuguesas a subir ou uma descida de 'rating' [avaliação]".

"Aí seria, então, caso para pânico. Por agora, temos que estar atentos e seguir a evolução dos juros minuto a minuto", disse.

Filipe Silva acrescentou ainda que, se na sequência deste aumento dos juros da dívida de longo prazo de Portugal gerasse uma revisão do 'rating', isso "seria deitar por terra tudo o que foi feito até agora".

Sublinhando que esta pressão nos juros da dívida se observa em "todos os [países] periféricos", a economista do BPI explica, por seu lado, que este movimento em alta nos juros da dívida soberana "é mais intenso no caso de Portugal devido à percepção externa de que o país se encontra numa situação mais vulnerável".

A economista do Banco BPI justifica a subida dos prémios de risco com as "boas notícias na frente de inflação e do crescimento na zona euro", tendo em conta que "a taxa de inflação aumentou mais do que o esperado (embora ainda se encontre longe do objectivo) e os indicadores de actividade apontam para crescimento robusto da actividade económica no último trimestre de 2016".

Paula Carvalho argumenta que estes "números mais favoráveis" reforçam a perspetiva dos mercados de que "a dose de estímulos quantitativos pelo BCE [Banco Central Europeu] vai diminuir mais cedo que o esperado".

Em Dezembro, o BCE anunciou o prolongamento do programa de compra de títulos pelo menos até ao final de 2017, mas também que vai baixar o ritmo de aquisições para 60 mil milhões de euros mensais, a partir de Abril. Além disso, as regras definidas limitam estas compras a 33% de cada linha de obrigações emitidas.

A analista do BPI afirma que, "dado o bom andamento da conjuntura, será mais difícil no quadro dos decisores de política monetária, argumentar a favor de um eventual relaxamento adicional das regras (...) ou mesmo da manutenção da dose de estímulos" e sublinha que "o limite dos 33% é particularmente penoso para Portugal".

Contudo, a economista destaca "duas questões fundamentais" para que os investidores "possam olhar o país com mais tranquilidade".

Por um lado, um "crescimento económico robusto e sustentado" e, por outro lado, uma "trajectória de redução do rácio da dívida pública face ao PIB", reconhecendo que, "sobretudo quanto a esta última questão, existem imensas dúvidas e preocupações".

Questionada sobre se esta subida dos juros da dívida de longo prazo poderá levar a uma revisão em baixa do 'rating' da DBRS, a única agência que coloca Portugal fora do 'lixo', Paula Carvalho diz que, "se for uma subida sustentada, terá certamente um impacto desfavorável, podendo a agência alterar a perspectiva de evolução para negativa", o que poderá acontecer "se o crescimento económico desapontar ou se existirem pressões adicionais".

A notação das agências de 'rating' é um dos indicadores a que os mercados prestam muita atenção, porque serve para avaliar a capacidade de o país pagar a sua dívida.

O BCE também valoriza esta notação ao exigir que, para continuar a comprar dívida pública em Portugal e a financiar a banca nacional, pelo menos uma das quatro agências de 'rating' atribua uma notação de investimento ao país, sendo que actualmente só a canadiana DBRS o faz.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Esperemos que isto seja um travao a ganancia da casalinho,assim sendo e razao para dizer:HA MALES QUE VEM POR BEM.

to Há 2 semanas

Ironia do destino,dizia o irrequieto hippertenso na sua mensagem de ano novo.portugal esta bem visto ca dentro e la fora e apontou o caso dos 2 orcamentos com a EU:o prim.foi 1 guerra de palavras azedas,no seg a EU nao entrou no mesmo jogo sujo ficando ha espera.Apanha-se mas depr.1 aldraba q 1 coxo

Anónimo Há 2 semanas

Eu nao disse nada,o DBRS e que disse qualquer coisa sobre os 4%.Tem algum jeito de governo que compra votos aos radicais para branquear a derrota.Um ministro das financas q mais parece 1 galo ao vento em cima dum telhado.Um ministro mirolho a gastar mais dinheiro do q entra em pensoes astronomicas.

pub
pub
pub
pub