Bolsa Analistas consideram plano da Mota-Engil “optimista”. Acções sobem mais de 1%

Analistas consideram plano da Mota-Engil “optimista”. Acções sobem mais de 1%

Os títulos da construtora estão a valorizar mais de 1%, depois de a empresa ter revelado o plano estratégico com as suas metas para 2020. Os analistas do Haitong e do BPI consideram-nas "optimistas".
Analistas consideram plano da Mota-Engil “optimista”. Acções sobem mais de 1%
Bruno Simão
Rita Faria 13 de Outubro de 2016 às 10:50

Os analistas consideram que o plano estratégico da Mota-Engil para 2020, revelado esta quinta-feira, 13 de Outubro, é muito "optimista".

 

A construtora portuguesa, que no ano passado registou um volume de negócios de 2,4 mil milhões de euros, tem como objectivo para 2020 atingir os 4 mil milhões de euros. Uma meta assumida no plano estratégico Step Up 2020, e que representa uma taxa de crescimento de 11% ao ano.

 

Entre os objectivos do plano estão ainda a geração de cash flow acumulado no período 2016-2020 de mais de 1.000 milhões de euros, e a manutenção da margem EBITDA em cerca de 15%. Metas que, no geral, ficam acima do previsto pelo BPI.
 

"No geral, as metas para 2020 estão acima do nosso cenário de base em termos de actividade operacional", lê-se na nota de análise do BPI publicada esta quinta-feira. O EBITDA, por exemplo, fica 51% acima das previsões.

Pelo contrário, as estimativas da empresa liderada por Gonçalo Moura Martins (na foto) para a geração de cash flow estão "ligeiramente abaixo dos nossos números", acrescenta a unidade de investimento do BPI.

Também o Haitong destaca o "optimismo" das previsões da construtora e diz que, por agora, vai manter as suas estimativas. Estas podem vir a ser melhoradas "se tivermos sinais de que a empresa pode alcançar as suas metas de cash flow e EBITDA".

 

"Recordamos que no anterior plano da Mota-Engil (ambição 2.0) as metas também estavam acima do que efectivamente aconteceu, já que o objectivo era um EBITDA de 450 milhões de euros para 2015, que afinal foi de 368 milhões", refere o Haitong, numa nota divulgada esta manhã.

 

"Achamos que as metas na indústria da construção devem ser vista com cautela, pois a empresa é dependente de adjudicações que podem não acontecer ou ser adiadas, e essas adjudicações também estão dependentes da saúde financeira dos governos (já que a Mota-Engil está principalmente envolvida em obras públicas)", acrescenta o banco de investimento.

 

As acções da Mota-Engil ganham 1,46% para 1,741 euros (apesar de terem estado em terreno negativo no início da sessão) reduzindo para 9,92% a queda acumulada desde o início do ano. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


comentários mais recentes
RFPB Há 3 semanas

Muito distraído.

https://dre.pt

RFPB Há 3 semanas

Eu acho que é consistente um aumento da cotação até aos 2€, uma vez que o 4 trimestre deste de ano e o 1 trimestre do próximo, haverá muitas obras públicas.
Basta ver o numero de concursos públicos, a sair todos dias.

Resposta de OIL2016a RFPB Há 3 semanas

Concursos públicos? Mas é publico que este governo cortou nas despesas de investimento, n estou a vêr onde o amigo vê um aumento, ou sou eu q ando muito distraído

Anónimo Há 3 semanas

Esse plano é apresentado cm operação de cosmética e tentar desviar as atenções dos mercados para a realidade dos números da empresa. Muito fracos resultados apesar das vendas n repetíveis efectuadas este ano. Não excluo a possibilidade ainda neste período(último trimestre) desta cotada quebrar e tocar novamente nos valores do inicio deste ano, €1,13-1,20 . Cuidado.

Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


pub
pub
pub
pub